Compartilhamentos

O Tribunal de Justiça do Amapá vai realizar no dia 26 de setembro o primeiro Casamento Comunitário voltado para casais homoafetivos. A decisão foi tomada em uma reunião entre a presidente do Tjap, desembargadora Sueli Pini e o movimento LGBT. A cerimônia religiosa ficará sob a responsabilidade do pastor da Igreja da Inclusão, Danilo Yeshua.

Sueli Pini explicou que os casais de baixa renda e que não tiverem como pagar as custas do casamento, serão patrocinados.

“Nossa intenção é que muitos casais possam participar. Iremos buscar parcerias com os cartórios de Macapá e Santana para patrocinar aqueles casais que não tiverem condições financeiras para arcar com as despesas, bem como buscar possíveis padrinhos”, garantiu a magistrada.

Movimento LGBT na reunião com a desembargadora Sulei Pini

Movimento LGBT na reunião com a desembargadora Sulei Pini. Foto: Ascom/Tjap

Os casais interessados em oficializar sua união devem realizar uma pré-inscrição no período de 20 a 31 de julho, na Secretaria Municipal de Assistência Social e do Trabalho (Semast).

O presidente da Federação Amapaense LGBT, André Lopes, enfatizou as dificuldades que encontram para alcançar seus direitos.

“Para nós é uma grande satisfação ver que uma iniciativa desse porte partiu do Tribunal de Justiça, pois tudo que conquistamos é sempre com muita luta”, salientou.

Presente na reunião, o pastor da Igreja de Inclusão, uma congregação também destinada ao público LGBT, Danilo Yeshua, se prontificou a dar a bênção religiosa durante a cerimônia.

Entidades gays fazem caminhada pedindo criação de Conselho Estadual

Os interessados no casamento devem fazer um inscrição prévia

A juíza Elayne Cantuária que está à frente da coordenação do casamento homoafetivo enfatizou o simbolismo deste evento para a comunidade LGBT.

“Esta será uma celebração de inclusão. O Poder Judiciário não pode se fechar às transformações humanas”, explicou.

O local da celebração será definido até o fim deste mês. As pessoas ou entidades que estiverem interessadas em apadrinhar a iniciativa, seja através do custeio das taxas ou outros custos, deverão procurar o Tjap.

Compartilhamentos