Compartilhamentos

O processo de licitação para a compra de um helicóptero para o Grupamento Tático Aéreo (GTA) foi concluída pelo governo do Amapá esta semana. A novidade é que o Estado resolveu adquirir uma aeronave  zero quilômetro, abandonando o projeto do governo anterior que era comprar um helicóptero usado.

De acordo com o secretário de Segurança Pública, Gastão Calandrini, a empresa vencedora do certame foi a multinacional Helibrás, que deve entregar a aeronave dentro de quatro meses.

O valor destinado à compra do helicóptero é de R$ 10,3 milhões, sendo R$ 5,7 milhões de um convênio com a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp),  e R$ 4,6 milhões do governo do Estado.

Secretário Gastão Calandrine: helicóptero vai dinamizar o trabalho da polícia

Secretário Gastão Calandrine: helicóptero vai dinamizar o trabalho da polícia

Gastão Calandrini explicou que agora o processo será encaminhado para a Procuradoria Geral do Estado (PGE) para a homologação da licitação, o que deve ocorrer em menos de um mês. Depois disso acontece a assinatura do contrato com a Helibrás. Segundo o secretário, a empresa informou que a aeronave está no fim da linha de produção e que a entrega poderá ser feito em até 120 dias.

O dinheiro do convênio federal já está disponível para o Amapá desde 2011 para a compra da aeronave, mas o governo anterior não conseguiu levar em frente o processo por conta de uma série de problemas administrativos. O convênio chegou a ser suspenso pela Senasp porque o dinheiro do convênio foi sacado sem justificativa.

Por conta disso, o próprio governador Waldez Góes realizou gestão na Senasp, em Brasília, comprometendo-se em resolver o problema e dar continuidade ao processo.

Para o secretário de Segurança Pública, Gastão Calandrini, a aquisição de um helicóptero novo vai dinamizar a atuação policial. “Com a aeronave zero quilômetro, os nossos policiais vão poder fazer suas operações de apoio ao policiamento com mais dinamismo e segurança, e também o socorro de pessoas que precisem de atendimento médico emergencial em locais distantes”, finalizou.

Compartilhamentos