Compartilhamentos

Servidores estaduais do setor da Saúde deram início nesta segunda-feira, 06, a uma greve por tempo indeterminado. Eles realizaram uma manifestação em frente ao Palácio do Setentrião, no Centro de Macapá. Além de melhorias estruturais, a categoria reivindica o pagamento de retroativo e gratificação para o mês de julho, e não em agosto, como foi proposto pelo Governo do Estado na reunião da Agenda do Servidor, na semana passada. A Secretaria de Saúde afirmou que os acordos com os servidores estão sendo cumpridos e não entende o movimento.

Os servidores se concentram em frente ao Setentrião

Os servidores se concentram em frente ao Setentrião

“O retroativo está sendo pago para outros setores desde abril, mas o Estado quer nos pagar depois de agosto. A gente não entende o porquê disso. Queremos retroativo desde abril, assim como está sendo pago para os outros setores”, enfatizou a técnica de enfermagem, Marlene Fernandes.

O Amapá possui quase 6 mil servidores no quadro da Saúde, sendo que 2 mil funcionários são enfermeiros, técnicos de enfermagem, agentes laboratoriais e auxiliares administrativos. Segundo o Sindicado dos Servidores da Saúde do Amapá (Sindsaúde-AP), cerca de 60% aderiu a greve.

Ismael Rodrigues, do Sindsaúde: queremos melhores condições de trabalho

Ismael Rodrigues, do Sindsaúde: queremos melhores condições de trabalho

“Não é apenas o pagamento do retroativo. Estamos exigindo também melhores condições de trabalho. Queremos um atendimento digno à população”, destacou o presidente do Sindsaúde, Ismael Rodrigues.

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), todos os acordos feitos com os servidores teve apoio do Sindicato, e que o retroativo e a gratificação devem ser pagos em 1º de agosto, como foi acertado na reunião da semana passada.

Compartilhamentos