Compartilhamentos

Depois de quatro anos, a ponte binacional pode estar muito próxima de finalmente ser inaugurada. Após a aprovação dos acordos transfronteiriços, que na prática permitem o tráfego sobre o Rio Oiapoque, o Planalto já começou a planejar a agenda de visita da presidente Dilma Roussef ao Amapá, provavelmente em novembro. Ela vem para a inauguração da ponte e do Conjunto São José, no Bairro do Buritizal, Zona Sul de Macapá, construído pela prefeitura de Macapá com recursos do Programa Minha Casa, Minha Vida.   

“Se os dois presidentes quisessem inaugurar a ponte amanhã eles poderiam”, resumiu o senador Randolfe Rodrigues (PSOL), que nesta sexta-feira, 21, teve um encontro com o ministro da Casa Civil, Aluízio Mercadante para discutir a agenda da presidente Dilma no Amapá.

Nesta sexta-feira, 21, o senador em conversa com Aluízio Mercadante sobre a visita da presidente Dima: agenda de inaugurações

Nesta sexta-feira, 21, o senador em conversa com Aluízio Mercadante sobre a visita da presidente Dima: agenda de inaugurações. Foto: Ascom 

Mas se no aspecto político a inauguração já é viável, o mesmo não se pode dizer da infraestrutura no lado do Brasil, e não só por causa dos 112 quilômetros que ainda precisam de pavimentação na BR-156. A inexistente estrutura de inspeção alfandegária é o último obstáculo a ser vencido.

Os escritórios até existem (levaram 3 anos para ficar prontos), mas não existe pessoal designado, internet, energia, mobília, equipamentos, enfim, nada.  

Ainda faltam 112 quilômetros para completar a pavimentação da BR-156

Ainda faltam 112 quilômetros para completar a pavimentação da BR-156

“Entrei em contato com o Departamento de Europa do Itamaraty pra ver como está esse processo de seleção de pessoal da Receita Federal que irá atuar na ponte. Ficamos de ter um encontro no departamento pra discutir esse assunto”, adiantou o senador.  

No dia primeiro de setembro, Randolfe e o senador Davi Alcolumbre (DEM) tem audiência no Ministro dos Transportes e no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) para cobrar agilidade na retomada da rodovia, agora sob a responsabilidade do governo federal.  

Compartilhamentos