Compartilhamentos

A reabertura do Parque Zoobotânico, fechado há 14 anos, voltou a ser discutida. O município deve assinar um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) com o Ministério Público do Estado se comprometendo fazer as readequações necessárias. E ainda será necessário captar recursos para fazer as obras. Ou seja, a reabertura do parque ainda não tem previsão.  

“Já apresentamos um projeto de readequações do parque e manutenção da fauna e flora. Vamos precisar de ajuda da bancada federal para capitalizar recursos, além de empresas e órgãos. Queremos o parque funcionando o mais breve possível”, ressaltou o prefeito de Macapá, Clécio Luis.

Além do projeto com readequações, parque precisa de dinheiro. Fotos: Ascom PMM

Além do projeto com readequações, parque precisa de dinheiro. Fotos: Ascom PMM

Com 107 hectares, o parque está fechado para visitação desde 2001, por não atender à Legislação Ambiental, especialmente no que diz respeito à segurança dos animais que até hoje são mantidos em locais impróprios, especialmente os felinos e os pássaros.

Hoje 16 funcionários trabalham no parque, que ainda abriga 61 animais de 25 espécies  apreendidos, doados ou recolhidos pelo Ibama.  Em 2008, o local foi rebatizado como Parque Zoobotânico Municipal “Arinaldo Gomes Barreto”.

 

A TAC visa apressar os investimentos para segurança do público, melhoria das trilhas, ampliação do logradouro das onças, construção de banheiros, pintura, reforço de grades, revitalização da fachada e guarita da frente do parque, além da contratação de mais funcionários.

“É interesse do MPF que o parque volte a funcionar e que atenda a sociedade de forma plena. Vamos cobrar a reabertura de acordo as normais legais para garantir a maior segurança de todos”, assegurou o procurador Tiago Cunha de Almeida.

Representantes do MPF, Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Secretaria Municipal de Manutenção Urbanistíca, Macapá Turismo e outros óorgãos realizaram uma visita técnica ao parque na semana passada.

Compartilhamentos