Compartilhamentos

Cerca de 50% das obras no Parque de Exposições da Fazendinha, que visam a realização da 51ª Expofeira do Amapá, estão concluídas. A informação é dos organizadores do evento. Nesta primeira etapa, estão acontecendo a desmontagem das baias, que darão lugar a Vitrine de Negócios, e a pintura do local. 87 trabalhadores foram contratados para realizar o serviço, sendo que a maioria vive em comunidades no entorno do parque.

“É uma forma de oportunizar o morador que está desempregado e precisa de uma renda extra para as despesas. O trabalhador vê na feira uma oportunidade de ganhar dinheiro”, afirmou o coordenador da Expofeira, Alcir Matos. Segundo ele, até o início do evento mais empregos serão gerados.

Adenilson estava desemprego e encontrou nas obras da Expofeira um meio de pagar as contas

Adenilson estava desemprego e encontrou nas obras da Expofeira um meio de pagar as contas e sustentar o filho

O soldador Adenilson Figueiredo, que mora no Bairro Vale Verde e estava desempregado desde janeiro, é um dos profissionais contratados. “Em tempos de crise, a Expofeira é como um presente de Natal. Com esse trabalho vou conseguir pagar as despesas de casa e manter as contas em dia”, comentou o trabalhador que é casado e tem um filho.

Com o andamento dos trabalhos, os telhados dos stands institucionais foram revitalizados; os currais, muro e arquibancadas da arena foram pintados; o piso da Vitrine de Negócios e topografia da arena estão sendo finalizados. Também foi definido o espaço do artesanato e a empresa trabalha na reforma e divisão dos stands. A expectativa da coordenação da feira é entregar tudo dez dias antes do evento.

Cerca de 90% dos trabalhadores no Parque de Exposições moram em comunidades do entorno

Cerca de 90% dos trabalhadores no Parque de Exposições moram em comunidades do entorno

“Em meio à crise econômica brasileira, a feira é uma oportunidade de negócios e desenvolvimento econômico do Estado, beneficiando desde o pequeno empreendedor até os grandes empresários. Os shows e o parque de diversões são um complemento do evento, que este ano visa tornar-se uma feira de referência em todo o Brasil, atraindo cada vez mais investidores para o Amapá”, avaliou Alcir Matos.

Fotos: Agência Amapá

Compartilhamentos