Compartilhamentos

A Polícia Civil acredita ter solucionado o mistério entorno do assassinato de um cabeleireiro ocorrido no último dia 13, no Bairro Brasil Novo, Zona Norte de Macapá. Nesta quinta-feira, 22, um adolescente de 17 anos confessou o assassinato e disse que matou por que teria sido assediado pela vítima.

“Através das investigações e testemunhas chegamos até o suspeito que estava com o celular da vítima e o tablete. Ele disse que foi até o salão cortar o cabelo, e depois disso o cabeleireiro não teria deixado que ele saísse sem que antes tivessem uma relação sexual”, informou o delegado Alan Moutinho, da Delegacia de Crimes Contra a Pessoa (DECCP), após o depoimento do adolescente. Como ele estava com pertencentes da vítima, a polícia também trabalha com a tese de latrocínio.

Arma do crime encontrada no local. Fotos: Jair Zemberg

Arma do crime encontrada no local. Fotos: Jair Zemberg

Josivaldo de Brito Santos, de 35 anos, foi encontrado morto por vizinhos. Ele estava na cama e sem roupas. O corpo tinha marcas de pelo menos 10 golpes de faca. A vítima era natural do Maranhão e morava sozinha na Rua Bananal, em uma vila de kitnetes onde também funcionava seu salão de beleza. Ele era bastante querido pelos vizinhos.

No dia do crime, segundo testemunhas, Josivaldo tinha emprestado uma bicicleta de um vizinho para buscar um rapaz em uma parada de ônibus. Os dois chegaram e se trancaram no kitnet.

Depois disso, o dono da bicicleta foi até o local e encontrou o cabeleireiro morto. No depoimento que terminou em confissão, o adolescente disse que aplicou uma gravata no cabeleireiro e depois desferiu as facadas.

Apesar da confissão, o adolescente continua em liberdade. Moutinho vai encaminhar o inquérito para a Delegacia de Investigação de Atos Infracionais (Deiai) que pode solicitar a Justiça a apreensão do acusado.

Compartilhamentos