Compartilhamentos

Um militar do Exército no município de Oiapoque, a 590 quilômetros de Macapá, foi preso nesta sexta-feira, 23, acusado de participar de mais de 20 crimes, entre roubos e furtos a residências na cidade. Segundo a Polícia Civil, ele tinha a ajuda de um ex-leiturista da CEA que ainda fingia exercer a atividade apenas para apontar casas que poderiam ser invadidas pela quadrilha.

A Polícia Civil chegou até o soldado Dean Elvis Alvides Feitosa (no meio) depois do depoimento de dois comparsas que também participavam dos crimes: Paulo Afonso Navegantes da Costa (bermuda vermelha) e Wemerson Mirelli Furtado (sem camisa), o “Jordi”.

Uma equipe da Polícia Civil foi até o quartel do Exército em Clevelândia do Norte e comunicou ao comandante do destacamento que o militar seria preso.

“Para evitar constrangimentos, já que está ocorrendo a operação Ágata e existem muitos oficiais na área de manobra, pedimos que ele fosse apresentado por seus superiores no Ciosp”, lembrou o delegado Charles Corrêa, que conduziu as investigações.

No meio, delegado Charles Corrêa teve o apoio da Polícia Militar nas prisões

No meio, delegado Charles Corrêa teve o apoio da Polícia Militar nas prisões

Ainda pela manhã, uma vítima apareceu no Ciosp do Oiapoque para comunicar o furto da residência, e, por meio de fotos, reconheceu o militar como uma das três pessoas que haviam participado do furto.

Por volta das 18 horas, o militar foi apresentado no Ciosp na companhia de outros dois oficiais da inteligência do Exército. A polícia já havia configurado flagrante pelo crime de organização criminosa, que tem caráter permanente, e já havia a partir de então um novo crime em flagrante pelo furto da residência na noite anterior.

O delegado passou a ler os depoimentos dos dois delatores que informavam que estavam na companhia do soldado tentando vender aparelhos de televisão furtados. Durante o início do interrogatório ele negou as acusações, e chegou a dizer que tinha um álibi, um sargento que poderia confirmar que o acusado estava de serviço na hora do crime.

“Eu disse que se esse sargento aparecesse receberia voz de prisão por falso testemunho. Depois disso ele acabou confessando e nos levou até uma área de mata onde havia escondido os dois televisores”, explicou Corrêa.

O militar foi preso em flagrante junto com os dois comparsas. De acordo com a polícia, além dos furtos, Dean Elvis participava de assaltos encapuzado.

 

Compartilhamentos