Compartilhamentos

A partir da próxima terça-feira, 6, bancários entram em greve por tempo indeterminado em 19 estados da federação, inclusive no Amapá. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores do Ramo Financeiro do Amapá (Sintraf-AP), os principais motivos da greve são reajuste salarial de 16% e participação nos lucros dos bancos. A greve foi deliberada em 82 municípios do Brasil.

A pauta de reivindicações dos 839 bancários amapaenses inclui: reajuste salarial de 16%, participação nos lucros dos bancos de 3 salários mínimos mais um adicional de R$ 7 mil, vale alimentação, melhores condições de trabalho, plano de cargo carreira e salário, auxílio educação, fim das metas abusivas e combate ao assédio moral.

Apenas caixas eletrônicos vão funcionar durante a greve

Apenas caixas eletrônicos vão funcionar durante a greve

Nas últimas reuniões os bancos fizeram as seguintes contrapropostas: reajuste de 5%, abono salarial de R$ 2.500, piso escritório de R$ 1.321, participação nos lucros de R$ 1.939 se o lucro líquido for acima de 5%, auxílio refeição de R$ 27 e auxílio cesta refeição de R$ 454 no 13º salário.

“Já tivemos cinco reuniões e a pauta não avança. A nossa proposta foi muito rebaixada. Tivemos uma inflação de quase 10% do último ano. Não vamos aceitar o mínimo disso como reajuste salarial. Nos 12 últimos ajustes nós tivemos aumento maior que a inflação, não vamos admitir nada abaixo disso”, frisou Edson Gomes, presidente do Sintraf-AP.

Edson Gomes: não vamos aceitar reajuste abaixa da inflação

Edson Gomes: não vamos aceitar reajuste abaixa da inflação

Segundo o Sintraf-AP, todas as 39 agências do Bradesco, HSBC, Itaú, Santander, Banco do Brasil, Caixa Econômica e Banco da Amazônia aderiram a greve. Os bancos ficarão fechados, apenas serviços de caixas eletrônicos, compensação de cheques e papeis devem funcionar.

No ano passado, a greve dos bancários ocorreu entre os dias 30 de setembro e 6 de outubro. Em 2013, a classe ficou em greve no período de 26 de setembro a 15 de outubro. Segundo a categoria, ainda não há previsão de novas negociações.

 

Compartilhamentos