Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA –

A orla do Bairro Perpétuo Socorro, Zona Leste de Macapá, há muito tempo vem sofrendo com os impactos da erosão causada pela força do Rio Amazonas. Grandes buracos tomam conta da estrutura do muro de arrimo e da calçada, dificultando o passeio de pedestres. Alguns buracos já alcançaram a rua e os carros já passam com dificuldade.

Os moradores dizem que o problema é antigo e só vem aumentando. A Secretaria de Estado Infraestrutura (Seinf) já está com o projeto pronto aguardando parecer da Procuradoria Geral do Estado (PGE) para licitar a obra.

Os buracos estão chegando na rua. Fotos: André Silva

A erosão já alcançou a rua em alguns trechos. Fotos: André Silva

O local, que era muito usado pelos moradores do bairro para caminhadas nos fins de tarde, hoje está abandonado. As poucas pessoas que se arriscam a andar nas calçadas esburacadas contam que quando a maré está muito alta, o muro não consegue impedir o avanço das águas que invadem as ruas, causando medo nas pessoas.

O local está abandonado devido ao buracos nas calçadas

Poucas pessoas se arriscam a passar pela orla do Perpétuo Socorro

O que provoca a erosão é o constante impacto da água no muro. O aposentado Manoel Gomes Marques, de 72 anos, disse que o lugar simplesmente foi esquecido pelo poder público.

Raimundo Gomes: fomos abandonados pelo poder público

Raimundo Gomes: fomos abandonados pelo poder público

“Eu já moro aqui há 28 anos. Essa orla já foi muito bonita, mas o que a gente vê agora é esse abandono. Além dos buracos, que já são um perigo, as pessoas que passam por aqui correm o risco de uma dessas luminárias que estão penduradas nos postes cair em cima delas”, comentou o aposentado, ressaltando que ainda tem morador que joga lixo na orla.

A Seinf é a responsável pela recuperação da orla. Segundo o secretário adjunto, Marcos Jucá, o projeto está pronto e foi encaminhado para a Procuradoria Geral do Estado (PGE) para análise e parecer. “Estamos aguardando o retorno do projeto com o parecer jurídico para licitarmos a obra”, enfatizou Jucá.

Compartilhamentos