Compartilhamentos

As obras da maternidade da Zona Norte, em Macapá, que estavam embargadas pelo governo federal, serão retomadas nas próximas semanas. A informação foi dada pelo próprio governador Waldez Góes, durante uma reunião com gestores da Infraestrutura e da Secretaria de Saúde esta semana. A maternidade, que deve ficar pronta em maio, vai reduzir em 40% a demanda na maternidade Mãe Luzia.

A equipe técnica da Infraestrutura acredita que cinco meses é o tempo mínimo para a conclusão da segunda etapa da maternidade, que contará com Centro Cirúrgico e Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal. No projeto original, esses setores não haviam sido previstos, o que contrariava as normas do Ministério da Saúde que embargou a obra. Por isso foram necessárias algumas adequações no plano.

De acordo com o governador, os recursos podem vir do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). “Estou em conversa constante para que isso ocorra. Caso não sejam liberados os recursos pelo BNDES, vamos continuar a obra com recursos do Estado, pois a população necessita desse espaço”, garantiu Góes.

Além de Centro Cirúrgico e UTI Neonatal, a maternidade vai contar com laboratório, ambulatório, duas unidades de Cuidados Intermediários Convencionais e mais duas de Cuidados Intermediários Canguru. Isso vai permitir que, além da realização de partos normais, também sejam feitas cesáreas.

Compartilhamentos