Compartilhamentos

JAIR ZEMBERG –

Dezenas de famílias do Bairro Perpétuo Socorro, na Zona Leste de Macapá, ocupam desde o início da tarde deste sábado, 28, o entorno da área atingida pelo incêndio de outubro de 2013, na Avenida Pedro Américo. Elas ameaçam invadir a área em protesto pela demora na entrega de moradias populares e o atraso no pagamento do aluguel social.

Na área atingida pelo incêndio, no dia 23 de outubro, ficavam mais de 300 casas. Por isso, inicialmente, a Polícia Militar e a Defesa Civil imaginavam que já estava ocorrendo uma invasão e equipes foram mandadas para o local.

PM apenas observa a manifestação. Fotos: Jair Zemberg

PM apenas observa a manifestação. Fotos: Jair Zemberg

“A gente não pode permitir. Se for preciso faremos uso da força pra impedir que o local seja invadido por se tratar de uma área de risco”, avisou o tenente-coronel Medeiros, da Defesa Civil, que foi até o local e conversou com os manifestantes. Veja o vídeo.

As primeiras famílias começaram a chegar à área do protesto na hora do almoço. Eles bloquearam a Avenida Pedro Américo e improvisaram um sopão no meio da avenida.

Alguns moradores improvisaram um sopão

Alguns moradores improvisaram um sopão

Logo após o incêndio, em 2013, a prefeitura enviou 100 famílias para o Conjunto Mestre Oscar e o governo enviou outras dezenas para o Conjunto Macapaba, mas cerca de 180 famílias permaneceram recebendo os alugueis sociais à espera da conclusão das moradias.

Algumas moradores dizem que estão há dois meses sem receber o aluguel social da Prefeitura de Macapá. Os atrasos também estariam ocorrendo com famílias cadastradas em programas sociais do Governo do Estado.

“Nós vamos construir a nossa casa de volta, o que eu tenho a dizer é isso”, disse exaltada uma morada.

Até às 16h30min, o protesto continuava. Por enquanto a PM apenas observa a manifestação.

Compartilhamentos