Compartilhamentos

DA REDAÇÃO –

Depois de muitas queixas, corte no fornecimento de energia, aviso de expulsão e até uma decisão judicial, o parque de diversões que funciona precariamente havia mais de dois anos na Beira-Rio, em Macapá, foi finalmente retirado neste domingo, 20. A operação foi acompanhada por fiscais da Prefeitura de Macapá.

Os brinquedos são velhos, e apenas um foi aprovado numa vistoria recente do Corpo de Bombeiros. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitacional da PMM (Semduh) tinha dado vários prazos para que a proprietária retirasse o parque, mas nenhum deles foi atendido.

Na autopista, há relatos de curto-circuitos que colocaram a segurança de crianças em risco. Fotos: Semduh

Na autopista, há relatos de curto-circuitos que colocaram a segurança de crianças em risco. Fotos cedidas pela Semduh

Em julho, o fornecimento de energia chegou a ser interrompido pela CEA, mas a proprietária alugou um grupo gerador para manter os brinquedos funcionando.

Depois disso a proprietária conseguiu uma liminar favorável à permanência, mas no julgamento do processo a decisão foi suspender com base num parecer do Ministério Público. A proprietária recebeu 90 dias para desmontar os brinquedos, prazo que venceria nesta segunda-feira, 21.

Local depois da retirada do parque

Local depois da retirada do parque

“Não poderíamos deixá-lo funcionando, não só por causa da Lei de Uso de Solo, mas principalmente pela segurança das crianças, já que o laudo detectou vários problemas com os brinquedos, sendo que apenas um passou na avaliação do Corpo de Bombeiros”, argumenta o secretário de Desenvolvimento Urbano, Valdinei Amanajás.

Compartilhamentos