Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA – 

As famílias brasileiras foram diretamente afetadas pela crise econômica do país. Isso tem reflexo na hora de fazer as compras para a ceia de fim de ano. Nos supermercados, onde a população mais sente que o poder aquisitivo caiu em função do aumento de preços, muitos consumidores estão substituindo pratos mais tradicionais para essa época por outros nem tanto. Outros não abrem mão do tradicional, mas optaram por reduzir a quantidade.

Gerentes de supermercados avaliam que boa parte dos consumidores resolveu equilibrar as compras. Tem aqueles que ainda preferem levar o pernil ou bacalhal, mas também tem os que resolveram substituir esses produtos pelo peru, um prato que não é tão tradicional na ceia de fim de ano.

CristianoBrito: fizemos uma promoção no peru e está dando certo. Fotos: André Silva

CristianoBrito: fizemos uma promoção no peru e está dando certo. Fotos: André Silva

“Os fornecedores aumentaram seus preços, mas a gente vem tentando segurar um pouco, porque entendemos que o país passa por um período muito delicado. Nesse período de fim de ano fizemos uma promoção no peru, que não é tão tradicional assim, e as pessoas estão levando”, comentou Cristiano Brito, gerente de supermercado.

O consumidor sabe muito bem que não dá pra levar tudo o que quer para casa, por isso aposta na pesquisa de preços e muitas vezes prefere substituir o cardápio.

O tradicional ficou para poucos. A maioria dos consumidores prefere mudar o cardápio da ceia

O tradicional ficou para poucos. A maioria dos consumidores prefere mudar o cardápio da ceia

“Só estou comprando o que está faltando mesmo, muitas coisas aumentaram de preço em relação ao ano passado. A crise mexeu muito no orçamento, então o jeito é pesquisar e levar apenas o essencial”, disse o técnico em enfermagem, Elton Camilo, de 33 anos.

Lebando o essencial

Elton Camilo: Levando apenas o essencial para fugir da crise

“As coisas estão muito caras e nosso poder aquisitivo caiu. Este ano estou substituindo o bacalhau por uma carne assada, e até por outro tipo de peixe. Infelizmente o bacalhau não entra em casa este ano”, disse a jornalista e funcionária pública, Graça Penafort, de 66 anos, na foto de capa desta reportagem.

Compartilhamentos