Compartilhamentos

DA REDAÇÃO – 

Os moradores de Santana, o segundo maior município do Estado, enfrentam problemas sérios com relação a precária coleta de lixo. Com o objetivo de resolver a situação, o governo do Estado e a prefeitura assinaram nesta quarta-feira, 16, um convênio no valor de R$ 7,8 milhões que serão investidos nos serviços de limpeza urbana e destino final dos resíduos sólidos.

Do total do convênio, R$ 6 milhões são de recursos do Estado e R$ 1,8 milhão de contrapartida da prefeitura de Santana. Os serviços consistem na coleta, transporte e destinação do lixo, além da limpeza e capina da área de entorno da feira do município. O trabalho está previsto para começar ainda no mês de dezembro.

O convênio foi assinado depois que governo e prefeitura reuniram para definir estratégias para resolver o problema da coleta de lixo na cidade portuária.

A coleta de lixo em Santana é precária

A coleta de lixo em Santana é precária

“Sabemos que o lixo jogado na cidade de forma irresponsável é uma das causas da proliferação do Aedes aegypti vetor da dengue, chikungunya e zika. Portanto, diante dessa situação nos mobilizamos e estamos dando o apoio necessário para que o trabalho de coleta e destinação seja intensificado em Santana”, declarou Góes.

O governador explicou que o valor do convênio será repassado em parcelas mensais de R$ 500 mil. A Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinf) ficará responsável em acompanhar e fiscalizar os trabalhos.

O prefeito Robson Rocha disse que cinco carros coletores de lixo, um poliguindaste, um caminhão-pipa, uma caçamba e uma pá carregadeira foram locados para a execução dos trabalhos.

“Esse maquinário vai ser exclusivo para a coleta do lixo domiciliar, para a retirada de entulho e também para os serviços de tapa buraco”, frisou.

Compartilhamentos