Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA – 

No próximo domingo, 6, a partir das 19h30min ocorrerá na Praça da Bandeira, Centro de Macapá, a tradicional Cantata Natalina do Coral Tribunal de Justiça do Amapá. Nesse ano o evento chega a sua 17ª edição, com o tema “O Acender das Luzes”. Os ensaios estão a todo vapor para o espetáculo.

Os 45 membros do coral estão há dois meses ensaiando músicas natalinas e seculares que falam sobre amor, paz e harmonia. Confira o vídeo do ensaio do coral.

“Essa cantata é muito importante para os servidores da justiça, secretarias do Estado e Polícia Militar, que se unem para cantar e encantar. Claro que o principal foco é cantar bem, mas nos emocionamos também com a energia do público”, destacou a presidente do coral Nilce Lima.

A Cantata Natalina foi uma forma que o Tribunal de Justiça encontrou para se confraternizar com toda a população de Macapá, depois de um ano inteiro de trabalho.

Antero Machado:

Antero Machado: cantar aqui passar emoção para outras pessoas. Fotos: Cássia Lima

“Eu sentia vontade de cantar, mas nunca tive oportunidade em lugar nenhum. Me convidaram para ajudar na primeira formação do coral e estou até hoje. Cantar aqui é dar qualidade de vida, alegria e emoção para outras pessoas”, contou emocionado Antero Machado, de 46 anos.

O espetáculo “O Acender das Luzes” será comandado pela maestrina Leandra Valério, que preparou um repertório especial e promete emocionar a plateia. A experiência dela e somada a da funcionária do Estado, Keila Patrícia, de 38 anos, que participa pela primeira vez do coral do Judiciário.

Membros do coral estão dando duro nos ensaios

Coralistas estão dando duro nos ensaios

“Eu trabalhei mais de 10 anos com o mestre Oscar Santos. Depois parei e decidi participar do coral. A grande mudança de lá pra cá foi o reconhecimento das pessoas. Por isso, participar é, além de um amor pela música, uma satisfação pessoal”, afirmou Keila.

Quem quiser ver mais um pouco é só comparecer à Praça da Bandeira no domingo. O melhor de tudo é que não precisa pagar nada.

Compartilhamentos