Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA –

O presidente da Assembleia Legislativa do Amapá, Moisés Souza (PSC), foi afastado do cargo na manhã desta terça-feira, 1º, pelos próprios parlamentares em votação aberta. O pedido foi feito por um grupo formado por 14 deputados estaduais que o acusam de improbidade administrativa.

O requerimento foi colocado em discussão durante a sessão conduzida pelo próprio Moisés Souza. Entre as acusações estão o não pagamento de contribuições previdenciárias, impostos e atraso de salários.

A Alap também estaria descontando os empréstimos consignados dos salários dos servidores e não estaria repassando para bancos e outros agentes financeiros.

Moisés se defendeu das acusações e houve um debate intenso. Oficialmente é a Corregedoria da Alap, desde segunda-feira, 30, ocupada por Antônio Furlan (PTB), no lugar de Michel JK (PSDB), quem administra as despesas da Casa. Michel entregou o cargo na semana passada depois de forte pressão interna.  

A Assembleia vive uma crise desde que o governo do Estado começou a descontar as antecipações de duodécimo realizadas entre janeiro e agosto deste ano, num total de R$ 18 milhões.

O presidente, Moisés Souza, tentou conduzir um processo de impeachment que foi arquivado na semana passada pelos deputados.  Por enquanto, no lugar dele, a presidência ficará sendo ocupada por Kaká Barbosa (PT do B).

Compartilhamentos