Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA – 

O resultado ainda será divulgado pelo MEC, mas já se sabe que Universidade Federal do Amapá (Unifap) não apresentou bons resultados no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), realizado no dia 22 de novembro. Os dezesseis cursos foram avaliados e a média da maioria ficou muito abaixo do esperado. O curso de bacharelado em história, por exemplo, que já tinha pouca demanda, teve o pior rendimento e deverá ser extinto. Além disso, a instituição corre o risco de perder recursos financeiros.

O exame mede o rendimento dos alunos dos cursos de graduação em relação ao conteúdo programático, suas habilidades e competência. Dos 16 cursos da Unifap avaliados, 12 ficaram com nota dois em uma escala que vai até cinco. Esse indicador é considerado insuficiente pelo MEC.

Reitora Eliane Superti: é uma situação muito complicada. Fotos: André Silva

Reitora Eliane Superti: é uma situação muito complicada. Fotos: André Silva

“Essa não é uma situação agradável para a Unifap. Estamos fazendo um planejamento para reverter esse cenário para os próximos os anos. Entendemos também, que como o calendário acadêmico está fora do ano civil em decorrência da última greve que a universidade enfrentou, isso provocou um descompasso no que o aluno deveria saber para o momento da prova e não estava preparado. É claro que esse não foi o único impasse”, ponderou a reitora Eliane Superti.

Superti reuniu-se com os colegiados dos cursos que obtiveram nota dois para que um plano de recuperação seja colocado em prática o mais rápido possível.

Na reunião foi decidido que o curso de bacharelado em história deve ser extinto, já que recebeu nota zero. Segundo a reitora, esse resultado pode trazer graves problemas para a universidade em se tratando de repasses financeiros.

Existe a preocupação também com uma possível evasão dos cursos

Existe a preocupação também com uma possível evasão dos cursos

“Esse tipo de resultado tem um impacto orçamentário considerável. O que é bastante cruel. A matriz que o MEC elabora para a distribuição de recursos para as universidades leva em consideração a nota da universidade e a nossa nota é muito baixa. Esse tipo de política vai de encontro ao interesse da universidade, e é uma atitude punitiva, o que nós não precisamos agora. A universidade passa por uma carência muito grande de recursos”, desabafou a Superti.

Até o dia 30 do mês de novembro houve a rematrícula dos alunos, e, observando a movimentação dos alunos na universidade e nas salas de aula, a reitora suspeita de uma grande evasão nos cursos. Isso agravaria ainda mais a situação da Unifap.

“Um resultado completo sobre essa evasão só estará disponível dentro de três meses”, completou a reitora.

Compartilhamentos