Compartilhamentos

SELES NAFES –

O Batalhão de Rádio Patrulhamento Motorizado (BRPM) do Amapá prendeu em um hotel no centro de Macapá na madrugada deste sábado, 12, um dos bandidos mais procurados do Brasil. Renato Rena de Carvalho, o Japa, de 49 anos, é conhecido por cometer todo o tipo de crime sempre protegido por políticos e pessoas influentes que costumavam contratá-lo em Rondônia. Ele chegou há pelo menos 1 mês na capital do Estado a “negócios”.

Japa foi preso com documentos falsos. Fotos cedidas pelo BRPM

Japa foi preso com documentos falsos. Fotos cedidas pelo BRPM

Japa, que foi preso com documentos falsos em Macapá, tinha a proteção política para cometer os mais diversos crimes, segundo a polícia de Rondônia.

Japa é natural do interior do Amazonas e, segundo a polícia de Rondônia, trabalhava para então governador, e hoje senador de Rondônia, Ivo Cassol (PPS), além do senador Expedito Júnior (PR). Cassol é processado por fraudes em licitações da época em que era prefeito no interior de Rondônia, mas em 2006 ele foi processado também por compra de votos.

Documentos falsos com nacionalidade paraguaia

Documentos falsos com nacionalidade paraguaia

“A prisão aconteceu graças a uma ação do serviço de inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Amapá em colaboração com a Secretaria de Segurança Pública de Rondônia”, explicou o comandante do BRPM, coronel Matias.  

Japa estava sorridente durante a prisão

Japa estava sorridente durante a prisão

Japa foi preso no quarto do hotel no Centro Comercial de Macapá e não esboçou reação. Ele tinha carteira de identidade do Paraguai com o nome de Kaio Renato e também passaporte com o mesmo nome, além de cartões de crédito e celulares.  

Japa é gente grande no crime graças ao manto da proteção de políticos que costumavam também contratá-lo para todo o tipo de “serviço”. Antes de ser acusado de ameaçar testemunhas num processo de compra de votos contra o então governador e o senador em Rondônia, ele teria participado do roubo a um carregamento de 250 quilos de ouro da Vale do Rio Doce.

Ele estava organizado. Tinha carro alugado e cartões de crédito

Ele estava organizado. Tinha carro alugado e cartões de crédito

Japa também chegou a ser preso com 735 quilos de cocaína. Mas, na famosa penitenciária de Urso Branco, ele tinha regalias e era conhecido como o “homem do governador”. Tinha o direito de ficar na enfermaria mesmo sem estar doente. Na prisão, ele também intimidava parentes de testemunhas contra Ivo Cassol.   

A influência política do bandido e a grandiosidade dos crimes dele fizeram a Polícia Federal deflagrar as operações Japa e Japa II.

Objetos apreendidos no quarto do hotel onde estava há 1 mês

Objetos apreendidos no quarto do hotel onde estava há 1 mês

Japa foi entregue pelo BRPM na sede da Polícia Federal de Macapá que ainda não se pronunciou sobre a prisão. Ele provavelmente será transferido para Rondônia depois de ser interrogado.

As autoridades policiais do Amapá sabem que Japa estava em Macapá a convite de pessoas influentes na capital. Ele também estaria a serviço de uma mineradora no Estado.

Compartilhamentos