Compartilhamentos

DA REDAÇÃO – 

A Polícia Civil do Amapá já tem a identificação preliminar do corpo encontrado no porta-malas de um carro incendiado na comunidade de Casa Grande, na Zona Rural de Macapá na última quarta-feira, 16. Seria do autônomo Antônio de Souza, de 37 anos. Segundo a polícia, ele já tinha sofrido um atentado há cerca de dois meses, mas também existe a possibilidade de latrocínio, que é o roubo seguido de morte.

A confirmação definitiva do corpo só ocorrerá após o exame de DNA. A família de Antônio de Souza, que oficialmente ainda está desaparecido, mora no estado do Tocantins, e já foi localizada pela Delegacia Especializada em Crimes Contra a Pessoa (Decipe).

Carro teria sido comprado com mais duas vila de kitnetes pela vítima. Fotos: Olho de Boto

Carro teria sido comprado com mais duas vilas de kitnetes pela vítima. Fotos: Olho de Boto

“A ideia é que um parente venha ao Amapá para a coleta de material genético que possibilite a realização do exame, mas a mãe é muito pobre e ainda está tentando resolver isso”, revelou o titular da Decipe, Alan Moutinho.

Se a família era pobre, o mesmo não se pode dizer da vítima. Segundo a polícia, Antônio de Souza costumava trabalhar em garimpo e recentemente comprou duas vilas de kitnetes em Macapá. Ele também adquiriu o carro onde foi encontrado morto havia apenas algumas semanas.

Apesar da possibilidade de assalto seguido de morte, a outra hipótese também é vingança. Depoimentos colhidos pela Decipe revelaram que Antônio teria cometido homicídio em um garimpo na Guiana Francesa, mas isso ainda não foi confirmado.

Em outubro, alguém atirou três vezes nele, mas os tiros não acertaram. A partir de então, Antônio passou a andar armado. Na casa dele, no Bairro Brasil Novo, a polícia encontrou munição, mas não a arma. 

Compartilhamentos