Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA – 

A Justiça Federal do Amapá condenou quatro dos cinco policiais acusados de tráfico internacional de armas presos na Operação Cartucheira, da Polícia Federal, ocorrida em maio deste ano. Apenas um policial federal aposentado foi absolvido.

Segundo a investigação, os agentes da segurança pública usavam carros oficiais para transporte e venda ilegal de armas no Amapá. Apenas o policial federal aposentado Antônio Raimundo Blanc dos Santos, de 55 anos, foi inocentado. Ele chegou a ficar preso durante mais de dois meses no Centro de Custódia do Zerão, mas como foi indiciado apenas por associação criminosa pôde responder ao processo em liberdade.

A sentença condenou: Patrício Brito Alves (autônomo); a 20 anos e cinco meses de prisão, Jaime Gomes Barbosa (civil) a 14 anos e 3 meses; Dinaelson Hernane Guedes Bacelar (tenente da PM) a 15 anos e 6 meses; além do comerciante  Barthelemy Rene Claude Edourard a 10 anos e 6 meses de reclusão.

Este último é francês e foi acusado no processo de ser o principal fornecedor.

“Se for posto em liberdade é bem capaz de não voltar mais ao Brasil”, considerou o juiz em sua sentença.

A Operação Cartucheira prendeu sete pessoas suspeitas de tráfico internacional de armas para a Guiana Francesa, mas apenas 5 foram a julgamento. Segundo a investigação, as armas eram compradas na Guiana e revendidas em Macapá e Santana, principalmente para uso de caça.

Os réus foram condenados por tráfico internacional de armas, comércio ilegal de armas de fogo, acessórios e munições, além de associação criminosa. A decisão não cabe recurso.

Compartilhamentos