Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA – 

A prestação de contas referentes às despesas da Semana da Consciência Negra aconteceu na tarde desta terça-feira, 29, na Biblioteca Elcy Lacerda, no Centro de Macapá, depois de uma série de denúncia e polêmicas nas redes sociais. Todas as comunidades e movimentos negros que participaram do evento no mês de novembro estiveram presentes e fizeram vários questionamentos, principalmente sobre os repasses financeiros que tinham direito e até hoje não receberam.

O Instituto Mocambo, que realizou uma caminhada, está com dívidas para sanar. O presidente da entidade, Paulo Axé, disse que os recursos não foram divididos corretamente.

Paulo Axé: precisamos quitar dívidas da caminha que realizamos na Semana da Consciência Negra. Fotos: André Silva

Paulo Axé: precisamos quitar dívidas da caminha que realizamos na Semana da Consciência Negra. Fotos: André Silva

“Nós fizemos a caminhada da consciência negra e não pagamos as despesas do evento, Agora as empresas que prestaram serviço para a caminhada estão me cobrando. Faltou melhor administração desses recursos. Uma  comissão foi montada para administrar mas não deu certo”, disse Paulo Axé.

Segundo a Secretaria Extraordinária de  Políticas para Afrodescendentes (Seafro), a prioridade dos pagamentos era das comunidades. Mas a comunidade de São João Matapi, por exemplo, recebeu um cheque sem fundos.

Núbia Sousa: vamos fazer o possível para que os repasses sejam feitos o mais rápido possível

Núbia Sousa: vamos fazer o possível para que os repasses sejam feitos o mais rápido possível

“Recebi o cheque, mas quando fui ao banco sacar não tinha fundos. Liguei para a Seafro e disseram que sairia no dia 10. Depois jogaram pro dia 20, e até agora nada”, disse Katiane Sousa, representante da comunidade.

A Seafro diz que a prestação de contas está sendo feita para esclarecer qualquer dúvidas que haja em relação a administração do recurso.

“O valor do convênio era de R$ 540 mil, mas infelizmente só foram repassados R$ 350 mil. Por isso algumas comunidades ficaram sem receber, mas nós já conversamos e elas vão ter que esperar. Vamos lutar para que esse dinheiro saia o quanto antes”, disse a secretária Núbia Sousa.

Segundo a secretária, o restante dos recursos está empenhado aguardando apenas a autorização para ser repassado.

Compartilhamentos