Compartilhamentos

EDSON CARDOZO – 

O governo federal já demitiu em 2015 seis servidores do Amapá acusados de corrupção. Entre os anos de 2003 a 2015 foram 127 desligamentos pelo mesmo crime. Os dados são de um relatório divulgado recentemente pela Controladoria Geral da União (CGU). De janeiro a novembro, em todo o país, foram 396 demissões, 40 cassações de aposentadorias e 38 foram destituídos de cargos comissionados.

O relatório não detalha quais os crimes cometidos por esses servidores especificamente, mas afirma que todos estavam “envolvidos com práticas ilícitas comprovadas”. O ministério com maior número de demissões é o da Previdência Social, segundo a CGU.

De acordo com o relatório, em 2014 foram demitidos do serviço público federal no Amapá 14 servidores, todos acusados de corrupção. A CGU aponta que no período de 2003 a 2009 foram expulsos dos quadros da União no Amapá 91 funcionários. O ano de 2005 foi quando o Amapá apresentou o maior número de demitidos por corrupção, foram 20 no total. Em 2003 e 2006 foram 18 demissões em cada um.

De 2003 a 2015 o relatório da CGU acrescente que a União já demitiu 127 servidores no Amapá. Isso representa 1,44% do universo de 8.791 servidores ativos. Em termos percentuais, o Amapá é o quinto Estado com maior número de demissões por corrupção. Perde apenas para Amazonas (2,18%), Rondônia (1,87%), Mato Grosso (1,83%) e Maranhão (1,45%).

Em números reais, ainda levando em consideração o período de 2003 a 2015, o Amapá é o terceiro da Região Norte com 127 demissões. Está atrás apenas do Amazonas, com 227 demissões e Pará, com 225 desligamentos. O Acre é o Estado da região que tem os servidores menos corruptos, foram apenas 28 demissões nesse período.

Compartilhamentos