Compartilhamentos

OLHO DE BOTO

Um homem acusado de sete homicídios foi morto na tarde deste domingo, 17, durante uma ação do Batalhão de Rádio Patrulhamento Motorizado (BRPM). Ele estava em um kitnet no Bairro do Araxá, na Zona Sul de Macapá, com a namorada. Ela acabou sendo presa por tráfico de drogas.

Luan dos Santos Monteiro, o “Luanzinho”, de 22 anos, estava sendo procurado pelo assassinato do mototaxista clandestino Wanderson dos Santos Oliveira, de 27 anos, ocorrida na noite do dia 26 de novembro na praça do Jardim Felicidade I, na Zona Norte de Macapá.

Comandante do BRPM, Paulo Matias, diante dos processos de Luanzinho

Comandante do BRPM, Paulo Matias, diante dos processos de Luanzinho

A ordem para a execução, segundo apurou a Delegacia Especializada em Crimes Contra a Pessoa (Decipe) teria partido de dentro do Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen). A razão seria uma dívida de drogas.

Drogas encontradas no kitnet. Fotos: Olho de Boto

Drogas encontradas no kitnet. Fotos: Olho de Boto

A polícia apurou que uma mulher ligou da praça para avisar que a vítima estava no local assistindo a uma partida de futebol, por volta das 21h. Neste domingo, a polícia recebeu a informação de que Luanzinho estava em um kitnet na Avenida Setentrional na companhia da namorada, Gleiciane Nicolau Ferreira, de 21 anos.

Gleiciane disse que está grávida

Gleiciane disse que está grávida

Quando a polícia chegou ao local, Luanzinho subiu para o forro para se esconder, e quando foi descoberto disparou contra os policiais.

“Encontramos primeiro a Gleiciane. Na varredura um policial retirou a tampa do forro e foi recebido com disparo. Ele desceu por outro compartimento e fez outro disparo. Não restou alternativa se não revidar”, explicou o coronel Paulo Matias, comandante do BRPM.

Arma usada por Luanzinho

Arma usada por Luanzinho

Luanzinho, que estava foragido do Iapen desde outubro passado, usou uma espingarda calibre 12 com cano serrado, o que faz com que o projetil se espalhe.  Ele ainda foi socorrido e levado até o Hospital de Emergência, mas já chegou morto ao local.

No Ciosp do Pacoval, Gleiciane foi apresentada por causa das drogas. Ela disse que está no terceiro mês de gestação e o pai da criança é Luanzinho. A Polícia Civil investiga se foi ela quem ligou para Luanzinho avisando que Wanderson estava na praça do Jardim Felicidade na noite do crime.

Entrada da vila de kinetes onde Luanzinho estava escondido

Entrada da vila de kinetes onde Luanzinho estava escondido

Compartilhamentos