Compartilhamentos

A Secretaria de Saúde do Amapá (Sesa) confirmou nesta quarta-feira, 20, que a pequena Emile Vitória, de um ano e três meses, passará nos próximos dias pela segunda cirurgia de reconstrução do ânus. A criança nasceu com uma má- formação congênita que a impede de expelir as necessidades fisiológicas. De acordo com a secretaria, a demora no procedimento têm várias  causas.

Zoraima Maramalde: exames e peso

Zoraima Maramalde: exames e peso

“Esse é um procedimento eletivo, ou seja, a criança deve ser submetida a uma série de exames antes da  operação, além disso, ela tem que está com um determinado peso, por isso que a cirurgia não ocorreu antes. Estávamos esperando ela engordar”, explicou a diretora do Hospital da  Criança, Zoraima Maramalde.

A secretaria informou a criança está bem e precisa atingir o peso ideal. Fotos: Cássia Lima

A secretaria informou a criança está bem e precisa atingir o peso ideal. Fotos: Cássia Lima

A diretoria explica que além da má-formação, Emile tem uma cardiopatia que deixa a cirurgia mais delicada, apesar da menina não correr risco de morte.

“Tem todo um preparo, ela não pode ter nem anemia ou gripe para que isso não afete o procedimento cirúrgico. A saúde dela tem que está normal. Só faltam exames cardiológicos e ela estará apta para a operação”, frisou a diretora que preferiu não estipular uma data.

Emile Vitória nasceu com uma má-formação congênita que bloqueia o canal do ânus. A menina faz suas necessidades por meio de uma bolsa de colostomia que tem ligação com um tubo conectado ao intestino. 

Compartilhamentos