Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

A Coordenação da Vigilância em Saúde do  Amapá confirmou que o Estado possui 44 casos suspeitos de vírus da zika. Os dados foram apresentados na manhã desta sexta-feira,19, durante  audiência pública na Assembleia Legislativa intitulada “O combate ao Aedes aegypti no Amapá: situação atual da zika, chikungunya e dengue”. Apesar do convite, nenhum representante da Guiana Francesa, onde existem casos confirmados, compareceu ao encontro.

“Temos 44 casos suspeitos. Isso não significa que são da doença, mas alguns sintomas são parecidos. Dois exames já deram negativo. No momento estamos esperando o resultado do Instituto Evandro Chagas (PA), que realiza o exame”, explicou Clóvis Miranda, coordenador de Vigilância em Saúde do Amapá.

Assunto foi discutido em audiência na Assembleia Legislativa. Fotos: Cássia Lima

Assunto foi discutido em audiência na Assembleia Legislativa. Fotos: Cássia Lima

A sociedade civil organizada compareceu em peso na audiência. Os moradores do Bairro Brasil Novo deram um exemplo de preocupação com a saúde pública. A Associação de Moradores, Comerciantes e Amigos dos Bairros Brasil Novo, Palmares e Liberdade promovem desde novembro uma ação quinzenal de limpeza e conscientização dos moradores.

“Nossa ação visa a mudança de hábito. O morador precisa aprender que não é só minha casa que é responsabilidade minha, a cidade é minha e eu tenho que cuidar. Precisamos desse tipo de iniciativa e queremos que essa ação se estenda a outros bairros”, destacou a vice-presidente da associação, Elizângela Silva.

Elizângela Silva: morador precisa fiscalizar seu bairro

Elizângela Silva: morador precisa fiscalizar seu bairro

Um dos grandes propósitos da audiência era discutir a situação na vizinha Guiana Francesa, onde já foram de registrados 20 casos confirmados de zika. Mas nenhum representante do governo guianense compareceu.

“Nós enfrentamos uma epidemia de chikungunya em 2014, foram mais de 2 mil casos confirmados só no Oiapoque. Hoje nossa participação é trabalhar em parceria com instituições além da fronteira para proteger a nossa porta de entrada com o Amapá. Precisamos proteger o lado brasileiro, mas para isso é preciso conscientizar o lado francês”, enfatizou o José Gomes, da ONG Sociedade Civil de Oiapoque.

José Gomes, de Oiapoque: convencer a Guiana

José Gomes, de Oiapoque: convencer a Guiana

De acordo com o deputado Antônio Furlan (PTB), organizador da audiência, três encaminhamentos serão realizados, o principal deles diz respeito à solicitação de informações oficiais sobre a zika na Guiana.

“Nós precisamos saber sobre essa doença e a situação da saúde francesa. Já solicitamos ao governo francês, através da Comissão de Relações Internacionais, informações sobre o plano de ação e números oficiais da doença naquele país. Eles são nossa porta de entrada e precisamos ficar alertas antes que ocorra uma epidemia como ocorreu com a febre chigunkunya”, disse o deputado.

Furlan: requerimento pede informações da Guiana Francesa sobre os casos de zika

Furlan: requerimento pede informações da Guiana Francesa sobre os casos de zika

Após a audiência foram tomadas duas decisões: um requerimento para a criação da disciplina de Educação Ambiental nas escolas amapaenses, com o objetivo de cultivar essa conscientização desde a escola; e outro requerimento para que a Assembleia Legislativa inicie ações praticas de conscientização e informação à população sobre o assunto.

Participaram da audiência representantes do Exército, gestores municipais e estaduais, além da Diocese de Macapá, associações de moradores, estudantes, profissionais da saúde e Ministério Público do Amapá.

Compartilhamentos