Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

Um grupo formado por órgãos do governo federal, estado, prefeitura e da sociedade civil, trabalha para viabilizar a recuperação e tombamento da Igreja Matriz da capital. E o tombamento do Largo dos Inocentes.

“Não estamos falando apenas da igreja, mas também do prédio existente no Largo dos Inocentes onde funcionava o pensionato da época, e que hoje abriga um shopping. Vamos aliar a ideia de restauração e preservação, alinhando tudo isso ao cotidiano da capital”, destacou a mestre em conservação do Instituto Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Eloane Cantuária.

Diversas reformas descaracterizaram a Matriz de Macapá

Diversas reformas descaracterizaram a Matriz de Macapá. Foto de arquivo

O Corpo de Bombeiros expediu laudo identificando rachaduras na estrutura da igreja e recomendou a imediata reforma do monumento. Mas, de acordo com o Iphan, o tombamento precisa ser analisado de forma minuciosa já que o prédio perdeu suas características originais com as várias reformas sofridas na época em que o Amapá era ainda território federal.

Monumento mais antigo da cidade. Foto de arquivo

Monumento mais antigo da cidade. Foto de arquivo

“O trabalho é longo, mas vamos resgatar esse patrimônio que faz parte da história do Amapá. Essa é a nossa contribuição para as gerações futuras. Nesse primeiro momento definimos as estratégias e demandas do processo de tombamento. Uma delas é esse resgate histórico e arquitetônico”, frisou o secretário das Cidades, Alci Matos.

O grupo de trabalho é formado pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento das Cidades do Amapá, Confraria Tucuju, Iphan, Fundação Municipal de Cultura de Macapá, Caixa Econômica, e Instituto Memorial Amapá.

O objetivo é decidir como será feito o resgate do prédio com o menor impacto possível.

Foto de capa: Manoel do Vale

Compartilhamentos