Compartilhamentos

SELES NAFES

O Departamento Estadual de Trânsito (Detran) fez uma apuração e concluiu que uma picape de luxo roubada em Pernambuco, e apreendida no último fim de semana pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) na BR-210, não foi emplacada no Amapá. Segundo o diretor-adjunto do Detran, José Furtado, a quadrilha falsificou placas e adulterou o número do chassi do veículo para que ele conferisse com os dados verdadeiros de outro veículo que está em situação regular.

“A placa é de um carro idôneo. O antigo dono fez a transferência corretamente do documento por meio de um escritório de vistoria. O carro foi fotografado e passou por uma vistoria na empresa. O Detran conferiu e deferiu a vistoria. Quando a gente entende que existem suspeitas, a gente encaminha direto para a Polinter (Polícia Interestadual)”, explicou ele nesta quinta-feira, 11.

Picape apreendida em Macapá. Detran disse que emplacamento é falso, sem participação de funcionários. Foto: Olho de Boto

Picape apreendida em Macapá. Detran disse que emplacamento é falso, sem participação de funcionários. Foto: Olho de Boto

No último dia 8, policiais seguiram a orientação do dono da picape roubada em Pernambuco que estava rastreando o veículo por sinal de satélite. O GPS levou até um ramal próximo da BR-210 onde um empresário que se identificou como proprietário acabou sendo preso. Havia a suspeita de que o veículo tivesse sido “esquentado” no Detran do Amapá, o que foi negado pelo diretor-adjunto.

No entanto, a Polícia Civil vai investigar como a quadrilha teve acesso aos dados verdadeiros da picape que está em situação legal para usá-los na falsificação. 

“É a delegacia que vai apurar adequadamente, mas não é apenas o Detran que tem esses dados. São cartórios e muitas empresas de segurança privada que trabalham com carros e tem contrato com o Detran. Até nas revendas existe acesso a esses dados”, comentou.

Detran admitiu que existem falhas na fiscalização de empresas que fabricam as placas

Detran admitiu que existem falhas na fiscalização de empresas que fabricam as placas

O diretor disse, no entanto, que em 2014 ocorreram vários emplacamentos de carros roubados no Detran do Amapá. E citou como exemplo três veículos que foram doados pelo Ministério da Justiça ao estado do Matogrosso em que os dados foram usados para emplacar carros no Amapá.

“Fomos pesquisar aqui, mas não tem processo. Mas tem o nome do cidadão do Detran que fez a transferência. As falsificações foram grosseiras, inclusive com os documentos indicando endereços fictícios que a gente sabe que não existem em Macapá”, concluiu.

Sobre as placas que são confeccionadas em estabelecimentos do Amapá, o diretor admitiu que existem falhas na fiscalização por falta de pessoal. O correto é que cada placa só seja confeccionada a partir de  autorização do departamento. 

Por outro lado, o diretor deixou claro que as placas falsas também são fabricadas em outros estados e, ultimamente, as próprias quadrilhas tem adquirido material para confecção.

Compartilhamentos