Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Pode não ter revolvido o problema, mas o muro de arrimo improvisado com pneus pela comunidade do Aturiá, no Bairro do Araxá, resistiu às primeiras marés de março. Pelo menos até agora. Talvez também pela força da fé dos moradores que confessam orar muito sempre que a chuva forte coincide com a maré alta do Rio Amazonas.

Moradores se reuniram no mês de janeiro para construir o muro com pneus que são preenchidos com pedras e entulhos. Segundo um dos moradores que ajudou a construir o muro, as ondas até agora não foram as maiores desse período do ano.

“Isso não é nada se comparado ao que ainda vem. Até o presente momento o muro ainda está segurando, mas ainda vem mais água por aí. Isso é só o começo”, admite Cleudivan Monteiro Gama, de 37 anos.

“Passamos mais de um mês construindo esse muro. Agora vamos esperar a maré baixar para mexer aí. A estrutura que colocamos por de trás dos pneus está segurando, por enquanto”, acrescenta.

Defesa Civil orienta moradores a lugar para o 190 se sentirem o perigo

Defesa Civil orienta moradores a ligar para o 190 se houver perigo. Fotos: André Silva

A Defesa Civíl do Amapá prevê um aumento no volume de marés. O coordenador da Defesa Civil, tenente-coronel Janary Picanço, estima que a maré chegue a 3,5 metros. Ele faz um alerta às famílias que tiveram suas casas inundadas pela última chuva que caiu na manhã de quinta-feira, 10.

“As famílias que tiveram suas casas inundadas na última chuva devem se precaver por que existe o risco de que o lugar inunde novamente. Se a pessoa achar que a casa possa alagar ela deve entrar em contato imediatamente com o Ciodes pelo número 190 ou 193 param acionar o socorro do Corpo de Bombeiros”, orientou.

A Defesa Civil Municipal e o Instituto de Hidrometeorologia do Amapá emitiram um relatório na manhã desta sexta-feira,11, aonde foram registrados os danos causados pelos 80 milímetros de chuva em Macapá na quinta-feira.

Moradores dizem que orem muito sempre que chove forte

Moradores dizem que oram muito sempre que chove forte

Mais de duas mil pessoas e 540 imóveis foram afetados. Os bairros mais atingidos foram o Jesus de Nazaré, Laguinho, Centro, Nova Esperança, Santa Rita, Beirol e Novo Buritizal.

A previsão do instituto é que até 17 de março possam ocorrer as marés mais altas. Os fatores que influenciam são os fenômenos naturas como o Equinócio e a lua nova.

“A cidade de Macapá e Santana conseguem suportar uma maré de 3 metros a 3,3 metros. Depois disso, os canais começam a transbordar”, explicou Jeferson Vilhena, do Instituto de Hidrometeorologia.

Compartilhamentos