Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Começou às 9h desta quinta-feira, 17,  no Tribunal do Júri de Macapá, o julgamento da professora que tentou matar uma colega de profissão em frente a Casa do Professor em 2014. O crime foi passional. A professora Marineide da Silva Lopes, atualmente com 50 anos, foi atingida por dois tiros. Ela passou por várias cirurgias e hoje caminha com dificuldades.

A primeira pessoa a ser ouvida no julgamento foi a vítima. Ela estava muito abalada e disse que espera que Aurivânia Neves da Silva, a acusada, pague pelo crime.

Marineide e o filho: sequelas

Marineide e o filho: sequelas

“Só espero que a justiça seja feita. Me senti ofendida com algumas perguntas que o advogado me fez. Ninguém abandona o lar sem dar satisfação”, disse a vítima se referindo ao companheiro que é ex-marido da agressora.

Na manhã do dia 9 de maio de 2014, Marineide esperava na fila para ser atendida na Casa do Professor quando foi surpreendida pela agressora que puxou um revólver da bolsa e disparou duas vezes contra ela. Os tiros atingiram o peito da vítima que ficou internada durante várias semanas em estado grave. 

Segundo o filho de Marineide, Antonio Neto, a professora passou por várias cirurgias e usou durante mais de um ano uma bolsa de colostomia, utilizada para eliminar fezes e gases de pacientes.

“Até hoje ela faz fisioterapia, por que uma bala se alojou em uma de suas vértebras e isso dificulta a caminhada dela. Ela já não consegue realizar as mesmas atividades de antes. A minha mãe está muito deformada”, desabafou o filho.

Psicóloga presta depoimento a convite da defesa. Fotos: André Silva

Psicóloga presta depoimento à convite da defesa. Fotos: André Silva

 

Marineide é casada com o ex-marido de Aurivânia. Os dois viveram juntos por 18 anos. Em uma entrevista concedida com exclusividade ao Site SELESNAFES.COM no dia 14 de maio de 2104, cinco dias após a tentativa de homicídio (quando ainda era foragida) Aurivânia, disse que no dia do crime foi até a Casa do Professor e teria encontrado a vítima por acaso. Segundo ele, foi uma coincidência ter uma arma na bolsa. Leia a entrevista da acusada na íntegra clicando no link http://selesnafes.com/2014/05/exclusivo-ninguem-pode-entender-a-minha-dor-diz-professora-que-tentou-matar-mulher-do-ex-marido/

defesa dela que sustentar a motivação do crime como fruto de transtornos psicológicos. Uma psicóloga foi chamada pela defesa para tentar sustentar essa tese. O julgamento está em andamento.

Compartilhamentos