Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

Um rapaz que acabou de completar 18 anos decidiu “ganhar a vida” da pior maneira possível, entrando para o mundo do crime. Poderia estar estudando ou buscando trabalho, mas na noite desta quarta-feira, 6, Ademir dos Santos Maciel decidiu assaltar.

Ademir tinha apenas uma réplica de pistola, muito parecida com uma arma de verdade, o que os policiais chamam de “simulacro”. Ele estava decidido.

Por volta das 21h40min, ele escolheu o alvo, uma mulher que caminhava por uma rua no Bairro do Laguinho, área central de Macapá. Deu tudo certo. Parecia fácil. Apontou a arma, anunciou o assalto e conseguiu o celular da moça.

Réplica de pistola encontrada com o assaltante e o celular da vítima

Réplica de pistola encontrada com o assaltante e o celular da vítima

O que ele não esperava é que uma viatura do Batalhão de Rádio Patrulhamento Motorizado (BRPM) estivesse passando pelo local no momento do crime. Os policiais foram abordados pela vítima que explicou o que havia ocorrido e deu as características do assaltante, como a cor da pele, altura, roupa que usava.

Ademir já tinha fugido, mas não demorou para ser alcançado por populares que tinham visto o assalto e decidiram correr atrás dele. Quando a viatura chegou, ele já estava detido. Alguns populares queriam espancá-lo, mas outros não deixaram. Teve sorte.

Ademir Maciel foi apresentado no Ciosp do Pacoval, onde exibiu a expressão facial que a maioria dos criminosos adota na hora de ser fotografado pelos jornalistas de plantão. A PM checou, mas não encontrou passagens de Ademir como menor.

Seja qual for a decisão do juiz na audiência de custódia, se vai liberá-lo ou não para responder ao processo em liberdade, isso não importa mais. A partir de agora, Ademir chega à maior idade na condição de assaltante, aos 18 anos. 

Compartilhamentos