Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

Moradores do município de Ferreira Gomes, distante 130 quilômetros de Macapá, começaram a deixar suas casas na manhã desta quarta-feira, 27, após o alerta de enchente emitido pela Defesa Civil do Estado. O alerta destaca enchente lenta e gradual em toda parte baixa do município. Algumas casas, inclusive, já foram para o fundo. O rio Araguari já subiu mais de 1 metro em menos de 24 horas.

Hidrelétrica Ferreira Gomes abriu as comportas devido a cheia do rio

Hidrelétrica Ferreira Gomes abriu as comportas devido a cheia do rio. Foto: Léia Dias.

O alerta foi causado por motivos climáticos. Segundo a Defesa Civil, tem chovido muito na cabeceira do rio Araguari e coincidiu com a maré alta, ocasionando um volume muito grande de águas nas hidrelétricas.   

ferreira gomes1

Cheia avança e toma conta da orla da cidade. Foto: Léia Dias.

“Fomos avisados pelas Hidrelétricas Coaracy Nunes e Cachoeira Caldeirão que as comportas seriam abertas, de forma lenta e gradual. Por enquanto, não temos desabrigados e com esse aviso prévio, esperamos não ter grandes desastres como o que ocorreu no ano passado”, explicou o coordenador da Defesa Civil, coronel Janary Picanço.

A água já inundou parte do Fórum e da prefeitura de Ferreira Gomes, Centro de Convivência, Centro de Captação da Caesa, além de casas e igrejas próximos da orla, localizados nos bairros do Trem, Centro e Matadouro.

Área do matadouro já está no fundo

Área do matadouro está no fundo. Foto: Léia Dias.

A aposentada Maria Benedita Ferreira, de 62 anos, contou por telefone à reportagem do SELESNAFES.COM, que sua filha teve a casa inundada ainda na terça-feira, 26. Parte da orla da cidade já está no fundo.

“Assim que minha filha soube que as comportas da hidrelétrica seriam abertas, ela tratou de tirar as coisas da casa e veio pra minha casa com o marido e meus netos. Se ela tivesse ficado lá, teria perdido tudo porque a água chegou a altura da casa”, relatou a aposentada.

Rio

Rio Araguari subiu 1 metro. Foto: Léia Dias.

O transtorno da família da aposentada só não foi maior porque a  Defesa Civil, prefeitura e governo realizaram trabalho preventivo com as famílias. A prefeitura do município informou em nota, que não há motivos para pânico, já que as águas estão sendo monitoradas e avisos estão sendo feitos para a população.

Na manhã desta quarta-feira, órgãos de segurança pública reuniram para traçar estratégias para a retirada das famílias, já que o alerta é de que as águas devem continuar subindo.

Órgãos definem estratégia de atuação em Ferreira Gomes

Órgãos definem estratégia de atuação em Ferreira Gomes. Foto: GEA.

“Minha casa está um palmo de ficar no fundo. Já retirei algumas coisas e mandei meus filhos pra casa da minha mãe. Como a casa dela é pequena, vou aguentar por aqui. Mas, já sei que uma hora vou ter que deixar minha casa”, lamentou a dona de casa, Ana Maria das Graças, de 29 anos.

Compartilhamentos