É um retrocesso, dizem federações esportivas sobre fusāo

Projeto de Lei que trata da fusão das secretarias de Cultura e Desporto ainda não tem data definida para ser votado na Assembleia Legislativa
Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Anunciada no final da semana passada, a fusão das secretarias de Cultura e Desporto não agradou aos seguimentos cultural e esportivo do Estado. Após manifestações contrárias a decisão do Governo, por parte de artistas e produtores culturais, presidentes de federações esportivas também se dizem contra a mudança. Segundo as entidades, mesmo sem saber ainda como irá funcionar, o processo marca um retrocesso na história de dois setores importantíssimos para a população.

Agostinho Lopes, presidente do Conselho das Federações do Amapá

Agostinho Lopes, presidente do Conselho das Federações do Amapá

“Não só eu, mas como toda a comunidade esportiva acha que isso é um retrocesso. Participei de toda essa luta, desde a época do Setor de Educação Pública e Recreação até a transformação em secretaria. Não acredito que um corte em um setor como esse, que tem o mínimo de investimento, possa influenciar em alguma coisa”, queixa-se Agostinho Lopes, presidente do Conselho das Federações do Amapá.

Segundo os presidentes de federações, com a decisāo, o Estado foge da responsabilidade de fomentar os dois setores e que extinguir secretarias como essas é deixar de atender não só a atletas, mas a jovens em situação de risco social, que procuram no esporte a chance de ter uma vida melhor.

“Isso é um retrocesso. Por que antes no Brasil essas secretarias já eram unidas, e deu um trabalho muito grande para desmembrá-las, e agora querem unir novamente.  Eles só falam em fusão, mas não dizem como se irá trabalhar esses dois setores”, questiona Antônio Viana, presidente da Federação Amapaense de Judô.

Segundo o Governo, a unificação das secretarias representaria uma economia em aluguel de prédios, nos gastos com combustível e aluguel de veículos, redução de cargos comissionados e contratos administrativos. Bruno Igreja, técnico de taekwondo, também expressa sua indignação com a fusão.

“Eu vejo essa atitude do Governo com muita indignação.  O Amapá tem um grupo seleto de atletas que vem se destacando na luta no Brasil e no mundo, como os lutadores de MMA e do taekwondo, por exemplo. Atletas que irão participar das Olimpíadas do Rio esse ano. Não vejo motivos para essa atitude extrema do Governo”, desabafa Bruno.

O Projeto de Lei que trata da fusão das duas pastas ainda não tem data definida para ser votado na Assembleia Legislativa do Estado.

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.