Compartilhamentos

HUMBERTO BAÍA, DE OIAPOQUE

O site SELESNAFES.COM localizou a primeira vítima do temido zika vírus no Amapá. Ela é moradora do município de Oiapoque, na fronteira com a Guiana Francesa, a 600 quilômetros de Macapá. Depois de ser diagnosticada com a doença, a jovem Alexia Farias, de 20 anos, agora já pode respirar aliviada.

“Vivi um pesadelo”, desabafa.

Os sintomas da doença são muito parecidos com os da dengue e da febre chikungunya. A moça conta que começou a empolar, e seguida sentiu uma leve febre.

Ela ouviu falar que em Saints-Georges, na Guiana Francesa, era possível fazer os exames que identificam o zika.  Acompanhada da mãe, ela foi até o departamento francês onde realizou os testes de urina e sangue.

Depois de alguns dias a surpresa: o exame de sangue deu negativo para o vírus, mas o de urina foi positivo para zika. Alexa garante que nunca saiu de Oiapoque, por isso só pode ter contraído o vírus no lado brasileiro.

Ao confirmar o primeiro caso de zika no Amapá, a Vigilância em Saúde do Estado informou que estava investigando a possibilidade de a paciente ter contraído o vírus na Guiana, já que é muito comum o trânsito de brasileiros atravessando a fronteira. Na Guiana Francesa já são mais de 3 mil casos suspeitos notificados e 400 positivos.

Adolfo Silva, pai da moça infectada, diz que o caso é muito sério e que precisa ser visto com mais atenção pelas autoridades de saúde do Estado e do município.

“Isso poderia se tornar uma epidemia, e aqui longe de tudo fica difícil”, alerta ele.

Alexa passa não está grávida e continua em repouso na casa da família. A Vigilância informou que está fazendo o bloqueio vetorial no bairro onde a moça mora e num no raio de 400 metros a partir da residência dela.

Compartilhamentos