Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

A falta de sinalização em frente a Escola Municipal Vera Lúcia Pinon, no Bairro Infraero 2, Zona Norte de Macapá, tem tirado o sossego dos pais que têm filhos estudando ali. Nos horários considerados de pico, as crianças se arriscam para atravessar a via, uma das principais do bairro.

“Dizem que ainda não sinalizaram a rua por conta da obra que ainda não foi entregue. Poderiam logo pintar a faixa. Estão esperando acontecer o pior?”, queixa-se a vigilante Estela de Melo, 34 anos.

Escola na hora da saída. Foto: André Silva

Escola na hora da saída. Foto: André Silva

A escola fica na Avenida Carlos Lins Cortes, e são poucos os carros que param para as crianças atravessarem. Para amenizar a situação, os funcionários da escola colocam cones no meio da rua para que os veículos diminuam a velocidade.

“Nós mandamos ofício para a Guarda Civil Metropolitana de Macapá (GCMM) e para a Secretaria Municipal de Educação. A Guarda ficou de mandar um agente para cá em maio. E a questão da faixa é com a Secretaria de Transporte do Estado (Setrap), que diz estar esperando a empresa que executou o serviço entregar a obra”, explicou o diretor da escola, Ordilei Isacson.

A prefeitura Municipal de Macapá resolveu não renovar o contrato com as empresas de vigilância que cuidavam dos prédios da cidade pertencentes à PMM. Na decisão, o prefeito determinou que a GCMM ocupasse os postos.

Mãe e filha na saída da aula: medo

Mãe e filha na saída da aula: cuidados

“Nós estamos mobilizando guardas para ocuparem esses postos. Alguns serão remanejados da guarda de trânsito. Garantimos que a partir de primeiro de maio a escola terá um guarda”, garantiu o subcomandante Rui Seco.

A Setrap, responsável pela obra de pavimentação e urbanização da avenida, informou que a sinalização só será feita quando passar o período de chuvas.

Compartilhamentos