Medo do H1N1 lota postos no 1º dia de vacinação

Muitos pacientes e funcionários estão usando máscaras
Compartilhamentos

SELES NAFES

As principais unidades básicas de saúde de Macapá amanheceram lotadas nesta sexta-feira, 8, no primeiro dia de vacinação contra o H1N1. No Lélio Silva, no Bairro do Buritizal, Zona Sul de Macapá, pacientes e funcionários usavam máscaras com medo do vírus.

A fila em frente ao Lélio Silva, uma das maiores unidades básicas de saúde da capital, começou a se formar por volta das 6h. E não apenas por moradores do Buritizal.

As mais de 600 doses foram pouco pra demanda. Fotos: Seles Nafes

As mais de 600 doses foram pouco pra demanda. Fotos: Seles Nafes

“Vim do Bairro Santa Rita. Lá a gente não sabe pra onde ir, e eu decidi vir pra cá porque já conheço o posto”, diz a aposentada Maria da Conceição Passos, de 61 anos, que estava na fila com uma máscara.

E não foi só ela. Assim como outros, as policiais militares Cristina e Letícia estavam na fila para serem vacinadas e não se descuidaram das máscaras. As duas estão nos primeiros meses de gestação e preferiram não arriscar.

Policiais militares Letícia e Cristina. Sem desgrudar das máscaras

Policiais militares Letícia e Cristina: cuidados na gravidez

“O medo maior pras gestantes é o zika, mas temos que nos proteger do H1N1 e de outras doenças nessa fase que é a gravidez”, justifica Letícia Dias, que é cabo da PM.

“Não é necessário. A população está alarmada, principalmente por causa das redes sociais”, comentou o diretor do Pronto Atendimento do Lélio Silva, Emanoel Pantoja Martins.

A UBS recebeu 600 doses da vacina contra o H1N1, mas pela quantidade de pessoas na fila o diretor já sabia de amanhã que elas não seriam suficientes.

Funcionária também preferiu se prevenir

Funcionária também preferiu se prevenir

“Vamos requisitar mais doses”, adiantou.

Durante o mês de março, o Pronto Atendimento do Lélio Silva, que recebe moradores de pelo menos seis bairros, atendeu mais de 13 mil pessoas, desse total, 60% estavam com complicações respiratórias decorrentes de resfriados e gripe.

A vacinação contra o H1N1 segue até o dia 15 de maio em todas as unidades básicas de saúde da capital. No restante dos municípios o início a vacinação ainda não foi anunciado. Mais de 86 mil pessoas deverão ser imunizadas.

Pacientes vieram de vários bairros

Pacientes  chegaram de vários bairros

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.