Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

A Avenida FAB, no Centro de Macapá, foi o palco da maior manifestação unificada de servidores do Estado. Segundo estimativa da Polícia Militar, o ato reuniu cerca de 4 mil pessoas protestando contra o parcelamento de salários do funcionalismo público. A coordenação do movimento pretende realizar assembleias que podem terminar greve geral a partir da semana que vem.

Ao todo, 30 sindicatos se uniram no movimento de trabalhadores. Aqui no Amapá, além do não parcelamento, os servidores pedem mais infraestrutura, valorização dos profissionais e retorno do diálogo com o governo.

“Queremos o que é nosso por direito e não aceitamos o parcelamento, essa falta de compromisso do governo. Se não houver diálogo vamos parar todas as atividades”, avisou o tenente Álvaro Correa, presidente da Associação dos Militares do Amapá (Ameap).

Sindicatos combinaram uma assembleia geral para a próxima terça-feira, 5. Fotos: Cássia Lima

Sindicatos combinaram uma assembleia geral para a próxima terça-feira, 5. Fotos:
Cássia Lima

Quase todas as categorias participaram do ato que se concentrou em frente à Praça da Bandeira e depois seguiu até o Palácio do Setentrião.

“A educação está defasada e não vamos nos curvar a esse governo opressor e ditatorial. Vamos fazer uma assembleia amanhã e deliberar os rumos do movimento. O indicativo de greve é forte”, informou Ailton Costa, presidente da Executiva Municipal do Sinsepeap.

O ato incluiu militares, Sinsepeap, Sindsaúde, rodoviários, servidores da UDE, concursados da saúde de 2012, além de servidores da infraestrutura e economia.

“Nós somos os que mais sentimos. Estamos com salários pendentes há quase dois anos e existem mais de 200 obras paradas do governo por falta de pagamento. Vamos parar tudo”, destacou Lincon Américo, presidente do Sindicato dos Engenheiros do Amapá.

Os manifestantes estão no primeiro dia de paralisação. Na próxima terça-feira, 5, uma assembleia geral com todas as categorias está marcada pela manhã na Praça da Bandeira. Eles avaliarão um indicativo de greve geral.

Compartilhamentos