Operação Guincho: Primeiros investigados são soltos após delação premiada

Advogado de um dos acusados diz que seu cliente nunca foi flagrado em conversa comprometedora durante os grampos telefônicos
Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Justiça começou a liberar os primeiros investigados presos na “Operação Guincho” deflagrada pelo Ministério Público do Estado e Polícia Civil esta semana. Um dos acusados colocado em liberdade é proprietário de empresa de guincho. Ele e pelo menos outro acusado fizeram acordos com o MP, a famosa delação premiada. 

A Operação Guincho foi deflagrada no último dia 5. Treze pessoas foram presas, entre funcionários da Companhia de Trânsito e Transportes de Macapá (CTMac) e de empresas de guinchos. Eles são acusados de liberar veículos apreendidos, cobrar propina, extorquir, falsificar CNHs e fraudar multas para que motoristas pagassem valores menores.

Uma das pessoas que encabeçavam o esquema e que teve o telefone grampeado com autorização da justiça, Adriana da Paixão, era agente lotada no Setor de Custódia e continua presa no Instituto de Administração Penitenciária do Amapá (Iapen).

Foi a partir do grampo no telefone de Adriana que o MP conduziu as investigações e chegou até Alexandro Marques Vaz, que trabalhava no setor de informática da companhia. O MP se baseou em uma conversa dele com Adriana em novembro de 2015, aonde Adriana faz um pedido para Alessandro.

Advogado Marco Antonio Costa: grampo não especifica o crime. Foto: André Silva

Advogado Marco Antonio Costa: grampo não especifica o crime. Foto: André Silva

“Dos quatro volumes no processo, que é composto por várias escutas, houve uma escuta do meu cliente  em que a Adriana pede um favor para ele e de acordo com o MP esse pedido seria para ele liberar um documento. Tratar ele como as pessoas que tiveram de duzentas a trezentas horas de conversa por uma escuta que não especifica nenhum tipo de crime não pode”, argumentou o advogado Marco Antonio Costa, que defende Alessandro Marques.

Alessandro foi solto por que, segundo a decisão da juíza, “consta que o acusado encontra-se enfermo e já foi exonerado do cargo comissionado que exercia junto a CTMac”.  De acordo com a decisão, ele tem até cinco dias para apresentar documentos que comprovem sua exoneração, além de outras responsabilidades firmadas em juízo que garantem sua soltura.

Segundo o advogado, Alessandro não teria acesso às senhas do programa, pois, por hierarquia, Adriana seria a superior dele. Uma das teses da defesa é a de que, apesar do setor que ele trabalhava ser o de informática, ele não teria como ter acesso a tais informações.

“Na única escuta que teve entre ele e a Adriana, eles não tratavam especificamente de liberação de documentos”, garante o advogado.

Material apreendido na casa de um dos investigados

Material apreendido na casa de um dos investigados

Um dos investigados soltos com Alessandro é Alex Sousa de Oliveira. Ele seria proprietário de uma empresa de guincho envolvida no esquema. O outro investigado que já foi solto é Jean Domingos Alves de Souza, que era estagiário na Ctmac. Segundo o advogado, ele também teria feito delação premiada.

Dos 13 mandados de busca e apreensão da Operação Guincho, foram cumpridos 12. Uma pessoa está foragida, e duas foram presas em flagrante por falsificação. Seis deles são funcionários da Companhia de Trânsito e Transportes de Macapá (CTMac) e até agora, três foram soltos.

Por enquanto apenas acusados foram libertados. Foto: Arquivo

Por enquanto apenas 3 acusados foram libertados. Foto: Arquivo

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.