Compartilhamentos

ANDRÉ SILVA

Alunos da Escola Estadual Alexandre Vaz Tavares (AVT) fizeram um protesto em frente a instituição, na tarde desta quinta-feira, 12. Entre os pontos reivindicados durante o manifesto estudantil estavam melhorias na rede elétrica – que estaria em estado precário -, conclusāo das obras do laboratório que estão paralisadas desde 2012, e reforma da quadra de esportes que está sem condições de uso.

Obra do laboratório . Fotos: André Silva

Obra do laboratório está parada desde 2012. Fotos: André Silva

Inaugurada no ano de 1950 pelo então governador Janari Nunes, a escola fica na Avenida Feliciano Coelho, a primeira via a ser aberta no Bairro do Trem, área central de Macapá. De lá para cá, a escola passou por reformas na sua estrutura física, mas agora outros problemas surgiram e a rede elétrica é um deles.

AVT Mateus

Mateus Pantoja, representante do Grêmio Estudantil do AVT: os problemas sāo muitos aqui na escola

“Aqui nós temos defeito na rede elétrica, que constantemente tem queimado nossas centrais de ar, e isso já foi repassado para a Seed. Estamos reivindicando também o término das obra do laboratório, parada desde 2012”, queixa-se o representante do Grêmio Estudantil, Mateus Pantoja, de 17 anos.

AVT quadra de areia

Mato e lama na quadra de areia do AVT

Por meio do Grêmio Estudantil da instituição, os alunos organizaram o protesto. Com palavras de ordem, pautaram um por um os problemas estruturais. Após a manifestação, a direção do AVT resolveu reunir com eles e ouvir as reivindicações.

“Nós temos duas quadras de esporte e o problema está na de areia, que é melhor para quem quer praticar vôlei. O espaço está sem condições de uso, cheia de pedras e mato”, protesta o aluno Charlys Vitor, de 16 anos.

A direção da escola reconhece os problemas estruturais e, reunida com os alunos, explicou que as demandas já foram repassadas para a Seed desde o ano passado.

Direçāo se reuniu com os alunos para discutir os pontos cobrados no manifesto

Direçāo se reuniu com os alunos para discutir os pontos cobrados no manifesto

“O problema mais complicado, que perdura desde o ano passado, é o da rede elétrica. A escola precisa passar por uma reforma e nós já reivindicamos isso para a Seed e para a Secretaria de Infraestrutura (Seinf). Infelizmente, por falta de recurso, a secretaria não pode realizar essas obras. Hoje mesmo uma central de ar queimou e constantemente nós fazemos manutenção nas outras”, pondera a diretora Vera Lúcia.

Ela explica ainda que a obra no laboratório começou na gestão do ex-governador Camilo Capiberibe (PSB), e nāo foi concluída. Ela conta que a Seed já fez o levantamento dos materiais necessários para o término da obra, e garantiu que ainda esse ano o laboratório será entregue aos alunos.

Os laboratórios sāo voltados para aulas práticas de física, química e informática. Uma das salas seria usada como sala de leitura. Os alunos vão elaborar um manifesto com todos os pontos a serem ajustados dentro da escola para encaminhar à direção da instituição.

Compartilhamentos