Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

A entrega da obra de reforma e ampliação do Trapiche Eliezer Levy, ponto turístico localizado na orla de Macapá, ainda não tem data definida. O espaço está com as obras paradas e o tradicional bondinho nem sequer foi revitalizado. Segundo a Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinf), antes mesmo da reinauguração, o espaço já precisa de vários reparos ocasionados por depredação.

De acordo com a Seinf, o local teve parte da fiação elétrica roubada e a estrutura física destruída. Os reparos estão estimados em R$ 120 mil.

Parte interior do bondinho está toda destruída. Fotos: Cássia Lima

Parte interior do bondinho está comprometida. Fotos: Cássia Lima

Turistas que procuram o local para contemplar a paisagem, sentir a brisa do Rio Amazonas, especialmente para ir até o final do píer, são informados que o local está fechado para reforma.

“Estamos com atenção especial para o projeto, mas ainda precisamos rever esses reparos de depredação e a reforma do bondinho. Era para já estar funcionando, mas tivemos problemas jurídicos. Até agosto vamos andar com isso”, destacou o secretário de Cultura, Carlos Alberto Matias.

Banheiro sujo e com material de obras

Banheiro sujo e com material de obras

A obra iniciou em agosto de 2015 e tinha previsão de ser concluída em 90 dias. O trabalho inicial contemplava a substituição da estrutura em madeira, manutenção da parte construída em ferro, rede elétrica e iluminação. Hoje ainda está pendente a reforma do banheiro, limpeza e revitalização do bondinho.

Lixo acumulado no ponto turístico

Lixo acumulado no ponto turístico

O Trapiche Eliezer Levy começou a ser construído em 1936, pelo então prefeito Eliezer Levy. Porém, só foi inaugurado em 1945, quando o prefeito estava no seu segundo mandato. O projeto de construção previa que o píer, com 472 metros de comprimento, fosse usado como ponto de chegada e saída das embarcações da cidade.

Área já reformada

Área do trapiche já reformada

A Secretaria de Estado do Turismo (Setur) informou que lançará o processo de concessão pública que vai selecionar duas empresas para atuarem nos espaços do Trapiche.

Compartilhamentos