Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

Em nota, a Procuradoria Geral do Estado (PGE) se manifestou sobre a ação da Polícia Militar durante a manifestação dos vigilantes da empresa Vigex, em frente ao prédio da instituição na manhã dessa quarta-feira, 25. De acordo com o documento, “a reação das equipes policiais foi proporcional à atitude incitada dos manifestantes, com o objetivo de preservar a integridade física dos próprios trabalhadores”.

Ferido

Vigilante José Gomes dos Santos foi um dos feridos durante a manifestação. Fotos: Valdeí Balieiro

A nota diz ainda que o tumulto, que acabou resultando em agressões, partiu dos vigilantes. “Os manifestantes partiram para a agressão aos policiais que revidaram proporcionalmente. Foram efetuados disparos de munição não letal e bombas de efeito sonoro para dispersar a multidão”.

Sobre o atraso dos salários, foi informado que o pagamento referente ao mês de fevereiro será depositado na conta dos trabalhadores no prazo de 24 horas.

A Secretaria de Saúde do Estado (Sesa) informou que os repasses dos meses de março e abril, estão sendo providenciados e tratados diretamente com a empresa Vigex e o sindicato da categoria.

Manifestante exibe resíduos de bombas

Manifestante exibe resíduos de bombas

O confronto entre vigilantes da empresa Vigex e policiais militares terminou com prisões e pelo menos 3 vigilantes feridos por estilhaços de bombas de efeito moral e balas de borracha. A confusão aconteceu durante um protesto em frente ao prédio da PGE no Centro de Macapá.

A manifestação começou depois que vigilantes ficaram sabendo que a empresa teria recebido pagamento do Estado referente a janeiro e fevereiro, no entanto, os salários continuavam atrasados.

Compartilhamentos