Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

A Polícia Civil do Amapá já dá quase como certo que o esqueleto encontrado próximo da BR-156 nesta segunda-feira, 9, seja mesmo de Najla Patrícia Santos, de 35 anos.

O restos mortais foram encontrados por um morador da região  que guiou os investigadores até um ramal a cerca de 3 quilômetros da estrada que leva para o município de Laranjal do Jari.

O esqueleto estava com os ossos bastante espalhados, mas algumas características ajudaram no reconhecimento por parentes. Roupas femininas ao redor e um detalhe na arcada dentária foram importantes para determinar a identidade.

“A família reconheceu uma calça. Existe uma filmagem onde  Najla está usando a mesma calça. Parentes também reconheceram algo nos dentes dela”, comentou o delegado Alan Moutinho, da Delegacia Especializada em Crimes Contra a Pessoa.

Najla Patrícia Santos estava desaparecida desde o dia 24 de março. Wesley Santos Camelo está preso desde o último dia 21 de abril por ordem da Justiça como principal suspeito do crime.

A polícia descobriu que Wesley e Najla se conheceram em um bar na orla do Bairro Santa Inês, em Macapá, na madrugada em que ela desapareceu. Os dois saíram juntos do local no carro do suspeito. Ele admite que estava com a vítima, mas nega o crime.

A polícia trabalha com duas linhas de investigação: roubo, já que Najla havia sacado uma importância enviada por seu marido que trabalha no Suriname, ou algum desentendimento dentro do carro.

O delegado Alan Moutinho espera agora o resultado de uma perícia no esqueleto para confirmar como a vítima foi morta.  

Compartilhamentos