Compartilhamentos

MANOEL DO VALE

Na tela vazia e branca, o artista traduz o corpo de um puto de rua, como ele o apresenta a plateia. Modelo vivo do qual extrai as expressões que delimitam a linha fina entre a arte e a pornografia. O diálogo que se segue entre o pintor e seu modelo é, por vezes engraçado, outras tensas, e acaba por se transformar em confissões atormentadas de um homem em busca da superação de um trauma: a violação de seu corpo de menino.

Andrei, o artista, é um homem atormentado que busca através da arte, superar as sequelas de uma vida invadida, da qual se levou a pureza de menino.

O roteiro do monólogo ‘Eros Impuro’ é um drama que faz arte da vida de milhares de crianças brasileiras, que sofreram ou sofrem abuso sexual, um crime que muitas vezes é praticado por uma pessoa de confiança, em casa, na escola, na igreja ou na vizinhança, por homem ou mulher, pois esse crime não é exclusividade do sexo masculino.

Última apresentação em Macapá começa as 20h, no Bacabeiras

Última apresentação em Macapá começa às 20h, dessa sexta, 20, no Bacabeiras. Divulgação

Patrocinada pela Petrobras e Ministério da Cultura, a montagem foi concebida com um apuro técnico surpreendente, que conduz o público por uma narrativa criativa que lança mão das técnicas de animação e do visagismo, e transforma o palco do Bacabeiras numa grande tela, onde são colocadas as cores que revelam a insanidade de uma pessoa de um crime.

Nessa grande tela de pintura, após o espetáculo, serão jogadas as tintas das experiências da plateia em resposta as provocações do diretor e dramaturgo Sergio Maggio, que assina o texto, através do ator Jones de Abreu.

“O espetáculo provoca uma identificação, uma emoção na plateia. Ao longo desse período, nós temos bastantes relatos de pessoas que espontaneamente resolveram contar porque perceberam que isso não podia mais ser guardado”, diz o diretor para quem o caso mais surpreendente aconteceu em Salvador (Bahia), onde uma mãe soube do espetáculo e foi pedir ajuda, porque a filha tinha acabado de sofrer um surto. Um surto relacionado a um abuso que esta sofreu quando tinha entre seis e nove anos, por um tio que habitualmente violentava as sobrinhas e filhas.

‘Eros Impuro’ encerrou nesta sexta-feira, 20, sua temporada de apresentações no Amapá, que começou na terça, no Teatro das Bacabeiras.

Compartilhamentos