Compartilhamentos

SELES NAFES

O novo secretário de Educação de Macapá, Paulo Mendes, pediu nesta quinta-feira, 25, que a Receita Federal investigue as três empresas contratadas pela prefeitura de Macapá para fabricar os 37 mil uniformes escolares da capital. É o mesmo contrato que derrubou a ex-deputada federal Dalva Figueiredo do comando da pasta.

Paulo Mendes foi até a sede do MPF se apresentar como novo secretário e se colocar à disposição das investigações. Nesta quarta-feira, 25, o Ministério Público divulgou uma nota reafirmando que o senador Randolfe Rodrigues e o prefeito Clécio Luis, ambos da Rede Sustentabilidade, solicitaram na semana passada uma investigação no contrato de compra dos uniformes. A solicitação foi feita na última sexta-feira, 20.

“A finalidade de ambos foi endossar o pedido de investigação formulado pelos vereadores Neuzinha (PSB), Washington (PSB) e Madeira acerca de possíveis irregularidades na destinação de emenda parlamentar para aquisição de uniformes escolares pela Prefeitura de Macapá. O senador e o prefeito se colocaram à disposição para contribuir com a elucidação dos fatos. As investigações estão em andamento”, diz a nota.

O novo secretário de Educação, que na prática vai conduzir um processo de intervenção no órgão, disse que a auditoria interna que está sendo feita na Semed desde abril deverá ter um resultado na semana que vem.

“Os procuradores pediram que terminemos o mais rápido possível nossas apurações e que encaminhemos o relatório final da apuração, assim como todos os documentos como contrato, empenhos, e ordens bancárias. Estamos fazendo essa auditoria desde abril motivados por uma denúncia anônima a respeito dos uniformes que não estavam sendo entregues”, comentou Mendes. 

Nesta quarta-feira, 25, chegou mais um lote de uniformes, mas o secretário disse que ainda não sabe quantas peças foram entregues até agora. Os funcionários da Semed estão contando um a um.

Os uniformes deveriam ter sido entregues aos alunos no início do ano letivo, mas roupas apresentaram defeitos como manchas e borrões. Todo o material foi devolvido por ordem do prefeito Clécio Luis. O problema é que as empresas já tinham recebido pelo serviço, fato que derrubou Dalva. 

“Todos os alunos receberão seus uniformes com qualidade, e sem nenhum custo adicional para a prefeitura”, garantiu Mendes.

Sobre a apuração por parte da Receita Federal, Paulo Mendes informou que conversou com o delegado da Receita Federal nesta quarta, e ele concordou em investigar as empresas junto com a Secretaria de Finanças da prefeitura. O pedido ainda será oficializado. 

Compartilhamentos