Compartilhamentos

SELES NAFES

Um ex-comandante geral da Polícia Militar do Amapá teria se recusado a fazer o teste de alcoolemia depois de, supostamente, ter provocado um acidente na madrugada do último sábado, 18, no município de Santana.  A picape dirigida pelo coronel Aclemildo Barbosa colidiu contra um táxi que estava estacionado, mas não houve feridos.

O acidente ocorreu por volta das 5h próximo da ponte do Igarapé da Fortaleza, no limite entre os municípios de Macapá e Santana. O táxi estava estacionado próximo da cabeceira da ponte quando foi abalroado pela Meriva do coronel. O táxi ficou bastante danificado.

Táxi ficou bastante danificado. Fotos: Leonardo Melo

Táxi ficou bastante danificado. Fotos: Leonardo Melo

A ocorrência foi atendida pelo Batalhão de Policiamento Rodoviário Estadual (BPRE). A equipe relatou no boletim que o coronel não estava portando carteira de habilitação, e que o carro dele não foi apreendido porque um condutor habilitado compareceu ao local para levar o veículo.

O coronel também não quis passar pelo teste de alcoolemia que substituiria o bafômetro, que estava com defeito. Mesmo assim, os policiais fizeram o termo de constatação, ou seja, confirmaram no boletim que o coronel da PM estava dirigindo sob efeito de álcool.

“O mesmo apresentava visíveis sinais que presumiam ter ingerido bebida alcoólica, como vermelhidão dos olhos e exalando forte hálito etílico, porém lúcido”, diz o boletim assinado pelo tenente Alves Neto, do BPRE.

Se ele não estivesse lúcido, houvesse feridos ou tentasse fugir do local, o coronel seria conduzido por um oficial superior à delegacia de polícia. O subcomandante geral da PM, coronel Rodoldo, foi enviado ao local para acompanhar os desdobramentos do acidente.

Táxi estava estacionado próximo da ponte do Igarapé da Fortaleza

Táxi estava estacionado próximo da ponte do Igarapé da Fortaleza

O comandante geral da PM, coronel Carlos Souza, avalia que a equipe do BPRE agiu corretamente, e que não houve corporativismo.

“A Corregedoria vai avaliar se será necessário abrir procedimento administrativo, mas isso só deverá ocorrer se ele (Barbosa) tentou se valer de ser coronel para obter vantagem. Mas no relatório que eu tenho aqui não diz que o tenente que conduziu a ocorrência tenha sido constrangido”, comentou o comandante.

O coronel Barbosa usou as redes sociais para afirmar que é habilitado, mas não citou sua recusa em fazer o teste de alcoolemia, e muito menos o fato de ter colidido contra um carro que estava estacionado.  

“No momento do abalroamento ninguém foi atingido. Por ser acidente com danos materiais foram feitos os registros necessários, sendo que todos os condutores eram habilitados e depois as partes foram liberadas. Na oportunidade agradeço também o comando da PMAP, na pessoa do sub comandante coronel Rodolfo que pessoalmente se fez presente para o acompanhamento da ocorrência. Meus sinceros sentimentos de gratidão finalmente a todos os amigos que estão me ligando preocupados comigo em saber se sofri alguma lesão em razão do citado acidente. Obrigado pelo carinho e atenção de todos!”, encerra a carta divulgada por ele em grupos de Whatsapp.

O coronel Barbosa foi comandante da PM durante o governo Camilo Capiberibe (PSB), tem 42 anos e é candidato do partido à prefeitura de Santana. 

Compartilhamentos