Compartilhamentos

SELES NAFES

O guarda civil municipal Laélio Picanço, de 42 anos, deixou uma carta para a família onde pede desculpas. O corpo dele foi encontrado na manhã desta quarta-feira, 8, amarrado a uma acorda no banheiro da casa onde morava, no Bairro do Laguinho, área central de Macapá.

O corpo foi encontrado por parentes por volta das 9h preso pelo pescoço a uma corda amarrada numa coluna na porta do banheiro. Eram menos de 2 metros de altura.

“Essa altura demonstra que ele estava determinado a tirar a própria vida, porque se ele quisesse poderia interromper o sofrimento apenas ficando em pé”, comentou o comandante da Guarda Municipal Ubiranildo Macedo, que foi chamado pela família e chegou a ver o corpo do guarda.

A residência foi isolada pela GCM até a chegada da Polícia Militar e da Polícia Técnica do Amapá.

Guarda deixou um filho de 18 anos, e relatou problemas financeiros em carta à família. Foto: Reprodução

Guarda deixou um filho de 18 anos, e relatou problemas financeiros em carta à família. Foto: Reprodução

O desafio para os parentes é entender o que motivou o guarda a tomar tal atitude. Na corporação ele não aparentava ter problemas, apesar de ter perdido o pai no ano passado e também ter se separado da esposa com quem tinha um filho de 18 anos.

“Ele era um ótimo servidor. Recentemente foi motorista do setor administrativo e se ofereceu para trabalhar no trânsito. Ele agia normal e sempre tirava brincadeiras com os colegas”, acrescentou o comandante.

A família de Laélio disse que ele não demonstrava ter problemas emocionais, mas mencionou que na carta o guarda relatou muitos problemas financeiros.  

A Guarda Municipal, onde Laélio trabalhava havia 8 anos, vai emitir uma nota pública de condolências. O sepultamento está marcado para esta quinta-feira, 9.

Compartilhamentos