Compartilhamentos

SELES NAFES

Para três rapazes acusados de tráfico de drogas não funcionou a estratégia de esconder o produto numa bota bem usada. O objetivo era disfarçar o cheiro. Mesmo assim, um cão farejador do Batalhão Operações Especiais (Bope) do Amapá encontrou uma quantidade considerável de crack dentro do calçado.

A apreensão ocorreu na tarde da quarta-feira, 27, no Bairro Novo Horizonte, zona norte de Macapá. Policiais receberam informações de que havia elementos comercializando drogas em uma vila de kitnetes.

Quando chegaram ao local, havia cinco rapazes dentro do imóvel. Na mochila de um deles os policiais encontraram porções de crack e decidiram chamar uma equipe do Canil do Bope.

“A gente continuava sentindo um cheiro de crack pela casa. Essa droga tem uma cor amarelada e um odor bem característico, mas a gente não sabia de onde vinha aquele cheiro”, comentou o sargento G. Chucre, do Bope.  

Os três acusados ainda não tinham passagem pela polícia. Fotos: Dicom/Bope

Os três acusados ainda não tinham passagem pela polícia. Fotos: Dicom/Bope

Um cão farejador começou a fazer a varredura pelo imóvel e foi certeiro em uma bota que estava encostada em um canto do cômodo. O calçado já estava bastante usado, e por isso por ter sido escolhido para ocultar o produto.

“Mas o cão sabe diferenciar os odores, inclusive separar o chulé do cheiro da droga”, explica o tenente-coronel Jackson, comandante do Bope.

No total, os policiais apreenderam mais de 600 gramas de crack. O imóvel onde a drogava foi apreendida fica ao lado do Ciosp do Novo Horizonte, local usado apenas para o registro de ocorrências policiais.

Dos cinco rapazes que estavam no imóvel foram presos Eliandro da Mota Silva, de 18 anos, Diego Ferreira dos Santos, de 21 anos, e Everton Patrick Moraes Pereira, de 23 anos. Nenhum deles tinha passagem pela polícia.

Eles foram autuados em flagrante por tráfico e conduzidos ao Ciosp do Pacoval.

Compartilhamentos