Compartilhamentos

CÁSSIA LIMA

Apesar de toda polêmica, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) disse desconhecer, pelo menos oficialmente, a realização da ‘Semana da Cultura Country’ marcada que será realizada na Fortaleza de São José de Macapá de 29 de julho a 6 de agosto. Até a manhã desta sexta-feira, 22, o Iphan ainda não havia sido comunicado oficialmente sobre a realização do evento no espaço que é um monumento tombado.

“Não fomos informados sobre o evento até o momento, o que causa surpresa tendo em vista a proximidade da atividade. Precisamos saber qual o espaço, o que eles pretendem implementar  para o nosso arquiteto avaliar e dar um parecer sobre a possibilidade do evento ou não”, destacou a chefe da Divisão Técnica do Iphan no Amapá, Weleda Freitas.

Weleda Freitas, do Iphan: explicações

Weleda Freitas, do Iphan: surpresa

A realização de eventos dentro e fora da Fortaleza é naturalmente limitada por se tratar de monumento. As festas sempre passam por avaliação por causa de estrutura de palco, som e conservação do monumento.

“Precisamos observar se ocorerrá perfuração do solo para afixação de tenda, por exemplo. Dimensão e estrutura de palco e iluminação. Se terá alguma intervenção nas muralhas ou nas edificações externas e como serão tais intervenções. Até mesmo como os resíduos serão armazenados e dispensados. Os responsáveis do evento precisam notificar o Iphan para evitar o embargo do evento”, explicou a chefe da Divisão Técnica do órgão.

Banner anunciando que haverá baile monumento. Imagem: Divulgação

Banner anunciando que haverá baile monumento. Imagem: Divulgação

A Secretaria de Estado da Cultura (Secult) comunicou que recebeu o pedido de autorização para o evento e que uma equipe técnica avalia as condições. Mas já foram detectadas duas falhas. A primeira é que a organização não notificou o Iphan, e a segunda é que o pedido de uso do espaço não é o mesmo divulgado no Facebook, onde diz que haverá bar, pista, camarote e área vip.

A divulgação do evento dentro do monumento, mesmo sem autorização do órgão de fiscalização, não agradou o Memorial Amapá, ong que busca resgatar e preservar a memória do Estado. A entidade divulgou uma nota pedindo providências das autoridades e classificou o evento como uma ‘falta de respeito’.

Eventos na Fortaleza são limitados e dependem de autorização do Iphan. Fotos: Cássia Lima

Eventos na Fortaleza são limitados e dependem de autorização do Iphan. Fotos: Cássia Lima

“Ofende os amapaenses e sua história! …Trata-se de um manifesto em defesa da valorização de nossa cultura e tradições, uma vez que faz tempo que não há qualquer incentivo para programação que poderia abrigar exposição sobre a história deste nosso monumento tombado como patrimônio nacional, ou para contar a saga da edificação da cidade de Macapá que surgiu no entorno da imponente fortificação”, diz um trecho da nota assinado pelo presidente do Memorial, Walter Júnior.

Walter Júnior, presidente do Memorial Amapá: falta de respeito

Walter Júnior, presidente do Memorial Amapá: falta de respeito

O SELESNAFES.COM entrou em contato com a organização do evento sobre a autorização e a mudança da festa apresentada no projeto a Secult, mas não recebeu respostas. Um dos sócios do evento comentou informalmente que a divulgação foi precipitada, já que o pedido de autorização ainda não havia sido respondido. 

Compartilhamentos