Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

O tenente-coronel da Polícia Militar do Amapá, Huelton Medeiros, teve o nome incluído nesta terça-feira, 19, na lista nacional de procurados pela Justiça. A Corregedoria da PM ainda não encontrou o oficial para cumprir o mandado de prisão preventiva expedido pela 3ª Vara de Auditoria Militar do Estado.

Equipes da Corregedoria da PM já foram a endereços residenciais do oficial e de parentes dele, além de locais de trabalho. Medeiros é o atual chefe de Segurança Institucional do governo do Estado.

“Pela publicidade que existe em torno do assunto ele já está ciente da situação. Nós fizemos um relatório sobre o que foi realizado até agora e estamos encaminhando à juíza da Auditoria Militar”, explicou na tarde desta terça-feira, o corregedor geral da PM, Coronel Rodiney.

Huelton Medeiros teve a prisão preventiva decretada a pedido do Ministério Público do Estado que o acusa de ameaçar um dos juízes militares, o ex-comandante da PM, coronel Aclemildo Barbosa.

Há ingredientes políticos na tensão entre os dois oficiais, já que eles são ligados ao PDT e o PSB, mas o MP anexou à denúncia contra Medeiros cópias de diálogos do Whatsapp onde Barbosa teria sido ameaçado.

Barbosa é juiz no caso em que Medeiros é investigado pelo desaparecimento de uma pistola da PM e que depois foi apreendida com um homem acusado de tráfico de drogas em 2015. 

A defesa de Medeiros ingressou com um pedido de habeas corpus na rigorosa Auditoria Militar.  O mandado de prisão foi expedido no último dia 15. 

Compartilhamentos