Compartilhamentos

DA REDAÇÃO

A Polícia Civil do Amapá tem quase certeza de que o corpo de um homem encontrado no KM-50 da BR-210 seja mesmo de Cleison Calins Gomes, marido e principal suspeito de matar a professora Adriana da Silva Caldas, de 38 anos.

A família dele relatou que o corpo está em um sítio, e teria sido descoberto no meio da tarde da terça-feira, 23. Há poucas informações até agora, mas Cleison Gomes teria sido encontrado enforcado dentro da casa.

Adriana estava em processo de separação após 20 anos de relacionamento

Adriana estava em processo de separação após 20 anos de relacionamento

Ele estava sendo procurado pela polícia desde que o corpo da professora foi descoberto na casa dele, no Bairro do Buritizal, Zona Sul de Macapá. O cadáver estava em cima da cama com sinais de perfuração por arma branca e em avançado estado de decomposição.

A professora estava desaparecida desde sábado, 20, e também não havia notícias dele desde o mesmo dia. Foi um dos filhos do casal que começou a procurar pelos pais. Na tarde desta terça, um vizinho desconfiado do mal cheiro que vinha da casa decidiu olhar por uma fresta na janela e viu o corpo. 

De acordo com familiares da professora, Adriana e Cleison, estavam em processo de separação depois de 20 anos de relacionamento.

“O que a polícia sabe até agora é que eles estavam em processo de separação, mas estavam se encontrando. No sábado, eles se encontraram e foram para a casa dele”, explicou o delegado Alan Moutinho.  

A moto da professora desapareceu, e foi encontrada em um ramal próximo do sítio onde o corpo do marido foi encontrado.

Politec remove corpo da professora

Politec remove corpo da professora

No início da noite, o delegado ainda esperava o retorno da equipe da Polícia Técnica do Amapá (Politec) para confirmar oficialmente a identificação do suposto corpo. 

Compartilhamentos